Você está curtindo o verão na praia e decide dar uma corridinha para despachar o sedentarismo e queimar umas calorias extras. Ótima ideia! Mas não pense que basta vestir o shorts, calçar o tênis (ou ir descalço, se preferir) e deixar suas pegadas na areia.

Tomar alguns cuidados ao praticar a atividade física é muito importante para evitar problemas que podem prejudicar a realização do exercício —bolhas e assaduras, por exemplo — ou até mesmo impedir você de curtir a praia depois —como queimaduras de sol e desidratação. Mostramos cuidados importantes para driblar os perrengues mais comuns que afetam quem corre na praia.

1 – Aposte na vaselina ou em pomadas anti-assaduras

O atrito pele com pele em áreas como virilha e axilas é famoso por causar assaduras em corredores. Agora, imagine o que acontece ao adicionar areia e sal da praia a esse esfrega, esfrega que ocorre nessas partes do corpo. Sim, o risco de você ter uma assadura aumenta! Para evitar problemas, procure passar vaselina ou pomadas específicas para prevenir assaduras em atletas (elas são diferentes das que bebês usam, ok?). Esses produtos agem diminuindo o atrito na região em que são aplicados.

2 – Evite molhar o tênis

Em um dia de calor, a ideia de pisar na água durante a corrida pode parecer divertida e refrescante. Porém, junto com a água vai entrar areia no seu pé. E o atrito dessa areia com a pele costuma gerar bolhas. A saída é evitar ao máximo “mergulhar” seus tênis na água do mar e também em poças. Antes de vestir as meias para treinar, aplique também vaselina nos pés para minimizar o atrito com a meia, o calçado e possíveis grãos de areia.

Quem corre descalço não tem esse problema do atrito. Porém, precisa ficar atento para não se machucar ao pisar em pedras ou objetos deixados na areia da praia. Mais: quando você corre sem tênis sua pisada muda e músculos diferentes são exigidos. Por não estarem adaptados, podem sofrer com fadiga precoce, além de apresentarem muitas dores pós-treino.

3 – Escolhe bem onde pisa

Correr na areia não é igual a treinar no asfalto e pode gerar dificuldades para quem não está adaptado. A areia seca e fofa eleva a dificuldade do exercício e exige mais dos músculos dos pés, das pernas e do quadril. Isso pode não só gerar uma fadiga precoce, obrigando você a parar o treino antes do planejado —e talvez bem longe do seu guarda-sol —, como também provocar fortes dores musculares pós-treino. Por ser muito irregular, a areia fofa também aumenta o risco de torção.

Já a areia molhada é mais similar ao exercício no asfalto. No entanto, é preciso ficar atento à inclinação, que costuma ser mais acentuada nessa porção próxima ao mar. O desnível sobrecarrega mais um lado do corpo e pode gerar dores. Se for impossível evitar a inclinação, tente ao menos correr pelo mesmo tempo “indo e voltando”. Assim, os dois lados do corpo serão exigidos de maneira similar.

4 – Planeje sua hidratação

Na praia geralmente não tem bebedouro, né? Então, lembre-se de levar uma garrafinha de água, dinheiro ou cartão para comprar algo para beber e repor os líquidos perdidos no suor. A desidratação pode acelerar a fadiga, gerar dor de cabeça e até causar problemas de saúde mais graves.

A quantidade de água que se deve beber durante uma atividade física varia muito de pessoa para pessoa, intensidade do exercício e condições climáticas. No geral, o recomendado é tomar um copo de água a cada 15 a 20 minutos.

5 – Proteja sua pele

O uso de filtro solar deve ocorrer durante todo o dia, independentemente do horário. Não aplicar o produto, especialmente na praia, pode causar queimaduras, manchas, rugas e também colaborar para o surgimento de um câncer de pele. Por isso, antes de calçar os tênis aplique o protetor solar em todo o corpo. Além disso, use boné ou viseira e camiseta com proteção UV para treinar.

Outro cuidado importante para evitar problemas trazidos pelos raios UV é não se expor ao sol nos horários de pico. Então, não saia para treinar entre 10h e 16h. Quanto mais longe dessa faixa de horário você puder correr, melhor.