O Brasil registrou um número recorde de 1,4 milhão de empresas abertas entre maio e agosto de 2021, segundo o Boletim do Mapa de Empresas do Ministério da Economia, que considera série histórica iniciada em 2011. O número representa um aumento de 1,9% em relação ao quadrimestre anterior, e de 26,5% em relação ao mesmo período do ano passado.

No estado de São Paulo, o cenário também é positivo. De janeiro a outubro deste ano, foram 236 mil novos empreendimentos registrados. O resultado desses 10 meses já é maior que o recorde anual anterior, de 2019. O resultado isolado de outubro é o melhor para o mês na série histórica iniciada em 1998.

O estado do Acre foi o que apresentou o maior crescimento percentual de empresas abertas entre maio e agosto deste ano, com aumento de 26,6% em relação ao mesmo período do ano passado. Por outro lado, o estado do Sergipe registrou a maior queda: 2,8% em relação ao primeiro quadrimestre de 2021.

Luciano Salamacha , professor da FGV, disse que a pandemia fez muitas pessoas buscarem mecanismos de renda complementar, entre elas, o microempreendedorismo.

Na medida que a população está conseguindo retomar sua atividade social fora de casa, os empreendedores buscam regularizar seus negócios, já que, antes, havia apenas possibilidade de delivery.

Para ele, o efeito principal é a regulação e profissionalização de muitos empreendedores que nascerão por conta da pandemia.