Na busca pela alimentação saudável, os alimentos integrais sempre aparecem nas recomendações dos nutricionistas. Por não passarem por nenhum processo de refinamento, eles preservam a maior parte de suas fibras.

Os alimentos integrais são ricos em fibras, vitaminas e minerais, tendo um valor nutricional elevado quando comparado aos alimentos refinados. Garantem o fornecimento de sais minerais importantes para a saúde: selênio, zinco, cobre, ferro, magnésio e fósforo. Portanto, possuem um valor nutricional diferenciado e enriquecido — explica Caroline de Salve, especialista em Nutrição.

Apesar de apresentar bons benefícios, existe um limite para o consumo de alimentos integrais. A recomendação é ingerir, no máximo, 30g diárias de fibras. Mais do que isso, o alimento pode causar prejuízos à saúde.

Comer muita fibra pode retardar a absorção de alguns nutrientes, como o ferro e o cálcio, e ficar com deficiência desses minerais — afirma a nutróloga Cassandra Pauperio.

A especialista também reforça que ingerir água é fundamental para que as fibras promovam um bom funcionamento intestinal. Caso contrário, a pessoa pode ficar com prisão de ventre.

A cada dia, os alimentos integrais estão ganhando mais espaço nas prateleiras dos supermercados. Mas, infelizmente, alguns produtos que se dizem integrais, não o são. Caroline ensina como não ser enganado:

De acordo com as normas da Anvisa, a lista de ingredientes deve vir em ordem decrescente de quantidade, então a farinha integral precisa estar em primeiro lugar.

Benefícios:

Os alimentos com fibras ajudam a emagrecer, previnem doenças, combatem o colesterol, auxiliam na digestão e controlam a absorção do açúcar.