O advogado-geral da União, André Mendonça no STF (Supremo Tribunal Federal), a liberação de cultos e missas presenciais. A declaração foi feita em julgamento de ação em que o PSD solicita a suspensão de decreto que proibiu eventos religiosos em São Paulo. O relator, ministro Gilmar Mendes, manteve o decreto em decisão liminar na 2ª feira (5.abr).

“Sobre essas medidas que estão sendo adotadas regionalmente. Não há cristianismo sem vida em comunidade, sem a casa de Deus e sem o ‘dia do Senhor’. Por isso, os verdadeiros cristãos não estão dispostos jamais a matar por sua fé, mas estão sempre dispostos a morrer para garantir a liberdade de religião e de culto”, disse o chefe da AGU.

O chefe da AGU citou a lotação nos transportes públicos como uma “justificativa” para a realização das reuniões religiosas. De acordo com o Mendonça, “não estamos tratando de um debate sobre vida e morte”.

“Como estão nossos ônibus, nossos trens, nosso transporte aéreo? Nossas secretárias do lar continuam a passar duas horas nos ônibus, trens e metrôs superlotados para estarem nos servindo em nossos lares”, explicou.

O chefe da AGU, que também é pastor, ainda citou passagens da Bíblia no STF uma frase de Jesus no evangelho de Mateus: “Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles”.

Depois, se referiu a passagens do livro de Atos, na Bíblia, que narra a ascensão de Jesus.

“Os cristãos, no capítulo dois de Atos, diariamente perseveravam no templo, partiam o pão de casa em casa, tomavam suas refeições em conjunto, louvando a Deus e contando com a simpatia do povo. Mais adiante, no capítulo cinco, diz que para ali também iam pessoas de outras cidades, porém levantando-se o sumo sacerdote e todos os que estavam com eles prenderam os apóstolos e os recolheram à prisão”, disse.

Mendonça, logo depois  afirmou, “digo isso porque ser cristão, na sua essência, é viver em comunhão não apenas com Deus, mas também com o próximo, ser cristão é estar junto ao próximo, é ter compaixão do próximo. É chorar junto, lamentar junto, dar o suporte necessário para que aqueles que se aproximam possam superar suas dificuldades”, citou.