Vários candidatos aprovados no recente concurso público do quadro geral da Prefeitura Araguaína já protocolaram denúncias junto ao Ministério Público do Tocantins (MPTO) para que o órgão investigue a contratação temporária de centenas de servidores para cargos que foram ofertados no certame. As denúncias devem ser investigadas pela Promotoria do Patrimônio Público.

O resultado final do certame foi homologado pelo ex-prefeito Ronaldo Dimas no dia 23 de dezembro de 2020. O concurso ofertou 581 vagas e teve mais de 32 mil candidatos inscritos. A validade é de um ano, prorrogável por igual período.

Os candidatos também já formaram uma comissão para acompanhar o andamento do certame e planejam, inclusive, manifestações para que o atual prefeito Wagner Rodrigues promova as nomeações de imediato. A Comissão também entregou ao MPTO uma lista extraída do Portal da Transparência contento 1.566 nomes de servidores, temporários e comissionados, que foram nomeados apenas neste mês de janeiro de 2021.

No concurso, foram classificados, por exemplo, 272 professores para a zona urbana, 57 assistentes administrativos, 34 técnicos em enfermagem, 23 assistentes sociais, 10 contadores, 40 enfermeiros, 6 farmacêuticos, 5 fisioterapeutas, dentre outros.

Contudo, na lista de contratos temporários, há dezenas de professores, mais de 160 assistentes administrativos, auxiliares, técnicos e outros.

Veja aqui a lista de servidores contratados no mês de janeiro.

Para os aprovados no certame, o sentimento é de frustração, pois estão prevalecendo as indicações políticas em detrimento do mérito das pessoas que se qualificaram em busca da tão sonhada aprovação no concurso público.

“Queremos a convocação dos concursados já. Que prevaleça o direito que foi por cada um de nós adquirido quando passamos no concurso”, cobrou a Comissão de Aprovados.

O que diz a prefeitura

A Prefeitura de Araguaína informou, em nota, que iniciará o processo de convocação dos aprovados no Concurso do Quadro Geral ainda neste mês de fevereiro e lembra que o certame tem validade de um ano, prorrogável por mais um ano, para que os aprovados sejam convocados para a posse nos cargos.