O ex-assessor da Presidência da República Arthur Weintraub negou a existência de um gabinete paralelo para assessorar o presidente Jair Bolsonaro na condução da pandemia da covid-19. Em vídeo divulgado ele afirmou que apenas dava conselhos ao chefe do Executivo.

A hipótese de um gabinete paralelo foi levantada durante a CPI da Covid. Os senadores investigam a criação de um grupo com o objetivo de municiar o presidente com informações sobre um suposto tratamento precoce da covid-19 com o uso de medicamentos como a cloroquina, que não tem eficácia comprovada contra a doença.

“Começaram a colocar meu nome como chefe de um gabinete paralelo que nunca existiu”, disse Weintraub. No vídeo, ele aparece ao lado do irmão Abraham, ex-ministro da Educação.