Unidade do Resolve Palmas na JK passa por desinfecção: atendimentos são remarcados

A Unidade do Resolve Palmas localizada na Avenida JK terá o atendimento suspenso ao público hoje,  para que o prédio do órgão passe pelo processo de sanitização e desinfecção. Os contribuintes que haviam agendado atendimento na Unidade foram remarcados para a próxima segunda-feira, 08.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                      A medida visa reforçar o trabalho de limpeza que já é feito diariamente, além de oferecer mais segurança aos funcionários e contribuintes que procuram pelos serviços oferecidos pelas diversas pastas na unidade.

A desinfecção das superfícies e ambientes será realizada seguindo os protocolos prescritos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A técnica utilizada inclui nebulização das paredes, tetos, pisos e mobiliários, e limpeza com uso de uma solução à base de hipoclorito a 1%, conforme orientação do Ministério da Saúde.

Unidade Taquaralto e Shopping Capim Dourado

O atendimento ao público nas Unidades Taquaralto e Shopping Capim Dourado continuam normalmente para quem agendou o horário nas unidades.

 Vale ressaltar que os atendimentos têm sido realizados através de agendamento, além disso, há intervalo de 20 minutos entre um e outro para evitar aglomeração e manter a segurança de todos. Os espaços internos estão demarcados respeitando o distanciamento mínimo de 1,5 metros entre as pessoas, com sinalização nos bancos de espera, marcações no chão e orientação. O uso de mascara é obrigatório por todos.


Obras da nova ponte de Porto Nacional seguem em ritmo acelerado

A secretária da Infraestrutura, Cidades e Habitação  e presidente da Agência Tocantinense de Transportes e Obras (Ageto) Juliana Passarin, visitou as obras de construção da nova ponte sobre o Rio Tocantins, na TO-255, em Porto Nacional.                                                                                                                                                                                                                                                                             A gestora acompanhou os trabalhos de perfuração que estão sendo realizados no local com equipamentos especiais. ” Essa é uma etapa importante. As perfurações  se concentram em dois pilares que serão instalados na  parte seca, mas já estamos finalizando a montagem da balsa para  iniciar os trabalhos na área submersa”, destaca.

Juliana Passarin também visitou o canteiro da obra da ponte, instalado em uma área às margens da TO-050. No local estão sendo produzidas as peças pré-moldadas, dentre elas grandes vigas de concreto que serão utilizadas na nova estrutura.

Ao todo, estão em fase de construção as 94 vigas de 43 metros, altura equivalente a um prédio de 15 andares, e 120 toneladas.

O engenheiro da empresa Rivoli e responsável pela obra, Paulo Valadares, acompanhou a gestora na visita e explicou a  processo de construção. “O que há de mais moderno na engenharia será empregado na construção dessa ponte”, destacou.

A nova ponte terá 1.488 metros de extensão, sendo 1.088 m de armação de concreto e 400 metros de aterro. (Da assessoria de imprensa)


Decreto é publicado autorizando novo curso de medicina com 60 vagas no Tocantins

O Governo do Tocantins autorizou o funcionamento do curso de graduação em Medicina no campus da Universidade Regional de Gurupi (Unirg) em Paraíso do Tocantins. O Decreto foi publicado no Diário Oficial do Estado na quinta-feira (4). O curso é em tempo integral e inicialmente serão ofertadas 60 vagas.

O credenciamento do campus em Paraíso do Tocantins foi autorizado por meio do Decreto nº 6.209, publicado em janeiro de 2021, depois de parecer favorável do Conselho Estadual de Educação (CEE). Com o credenciamento, o campus passou a fazer parte do Sistema Estadual de Educação e apto a receber o curso de Medicina e outras graduações.

Com a autorização do Governo do Tocantins, agora a Unirg aguarda o credenciamento do curso por parte do CEE, previsto para acontecer nos próximos dias.

O prédio que vai sediar a UnirG foi doado pela Prefeitura de Paraíso e já está pronto e adequado para o curso. De acordo com o presidente da Fundação UnirG, Thiago Pinheiro Miranda, a ideia é implantar um polo de Saúde no campus de Paraíso e, se tudo acontecer conforme está programado, realizar o vestibular ainda neste semestre.

O governador Mauro Carlesse reforçou que a implantação do curso de Medicina em Paraíso representa um avanço considerável para a educação superior no Estado, e divisas para a Unirg, que dá o primeiro passo para sua expansão. “A Unirg tem um enorme potencial de crescimento e com a implantação do campus e do curso de Medicina em Paraíso dá uma grande contribuição para a formação profissional, científica e para o ensino superior no Estado. É isso que queremos”, pontuou.

Por portal AF Notícias


Carlesse debate com comitê de crise medidas para ampliar proteção da população

O governador do Estado do Tocantins, Mauro Carlesse, conduziu a reunião do Comitê de Crise de Combate e Prevenção à Covid-19, que teve o objetivo de discutir alternativas para ampliar a proteção da população tocantinense. A reunião ocorreu de maneira remota obedecendo os protocolos em saúde com distanciamento social.

O governador Mauro Carlesse sugeriu que, a partir de agora, devido ao aumento do número de casos, as reuniões do Comitê sejam semanais para que o acompanhamento das ações seja mais rápido. “O que compete ao Governo do Tocantins, essa gestão não tem medido esforços. Já determinei a ampliação dos leitos de UTI [Unidade de Terapia Intensiva], para assegurar o tratamento adequado aos cidadãos que forem acometidos por essa doença e que tenham seu estado de saúde agravado. No início da semana, eu estive em Brasília [DF] com um grupo de governadores, todos em busca de garantir a imunização da população, interessados em comprar vacinas sem ter que esperar apenas o cronograma do governo federal, mas complementá-lo”, destacou.

Tratamento e imunização

O secretário de Estado da Saúde (SES), Edgar Tollini, falou sobre a imunização e a distribuição das doses aos municípios e novas aquisições. De acordo com o secretário, o Tocantins vive a pior semana no que diz respeito às internações no Estado e que a curva da Covid-19 está em crescimento.

Dados do último Boletim Epidemiológico divulgado nesta quinta-feira, 4, pela SES, apontam que o Tocantins tem 11.793 casos ativos, sendo que 430 encontram-se hospitalizados, 252 em leitos clínicos e 178 em leitos de UTI. “Mais de 80% das internações são de moradores de Palmas”, informa o secretário Edgar Tollini.

Ainda conforme o secretário, o Estado vai abrir mais 50 leitos Covid-19 nas cidades de Paraíso do Tocantins, Gurupi e Araguaína. E nesta sexta-feira, 5, deve anunciar mais 16 leitos clínicos nas redes particulares e mais dez leitos clínicos, dentro do Hospital Geral de Palmas (HGP). Nos próximos dias, deve anunciar mais 20 leitos de UTI no Hospital Regional de Gurupi.

Quanto à imunização, de acordo com o titular da SES, o Tocantins recebeu até o momento 125.600 doses de vacinas, sendo 110.600 da CoronaVac e 15.000 da AstraZeneca. "A obrigação do Estado é receber as doses, conferir os lotes e distribuir para os municípios. As imunizações, por sua vez, ficam na responsabilidade dos municípios e muitas vezes os municípios demoram uma semana para vir buscar a vacina, então nós reforçamos a importância dos municípios de vacinarem seus habitantes", destacou o secretário, adiantando que o Estado espera receber mais 2 milhões de doses.

Educação

A secretária de Estado da Educação, Juventude e Esportes (Seduc), Adriana Aguiar, informou como têm sido os critérios para determinar a volta às aulas em cada município. “Não podemos olhar a educação no Estado de maneira genérica, então estamos olhando de maneira individualizada cada município. Semana passada, nós analisamos que 92 municípios têm condições de voltar às aulas de maneira gradual, no sistema híbrido”, afirmou.

Quanto aos grandes centros, a titular da Seduc destacou: “percebemos que nos grandes centros, Araguaína, Gurupi e Palmas, a vontade dos pais é que os alunos voltem às aulas, mas nós estamos fazendo tudo alinhado aos indicadores apresentados pela saúde".

Trabalho remoto

Representando o Tribunal de Justiça (TJ), o juiz auxiliar da presidência, Océlio Nobre, informou que o órgão está acompanhando a situação do avanço da Covid-19 e quais medidas estão sendo tomadas. "O TJ optou por suspender os trabalhos presenciais para evitar que as pessoas tenham que se deslocar até as comarcas e ficar expostas à contaminação. Nós seguimos com os trabalhos de maneira remota e garantimos que temos condições de prestar o serviço com a mesma qualidade que o atendimento presencial. Só assim nós poderemos sair deste cenário caótico", destacou.

A defensora pública-geral Estellamaris Postal também destacou que o atendimento na Defensoria Pública do Tocantins “acontece de maneira 100% remota e que as ligações para a Defensoria estão sendo gratuitas também para facilitar o acesso da população”. Conforme a defensora, a preocupação da instituição é quanto à população em situação de rua que não entrou no grupo prioritário de vacinação e quanto à imunização dos indígenas.

O procurador-geral de Justiça do Ministério Público, Luciano Casaroti, sugeriu um decreto Estadual, o qual os municípios devem seguir, com medidas mais restritivas quanto à proibição de eventos, reforçando o uso de máscaras e o distanciamento social.

"Nós temos trabalhado nessas ações de enfrentamento, estamos pensando em limitar a entrada de pessoas nos estabelecimentos como farmácia, supermercados e ampliar o horário de funcionamento. Não podemos pensar apenas na pandemia, mas também na economia, nas pessoas que precisam se alimentar. Mas nós ainda estamos estudando essas possibilidades", informou o governador Mauro Carlesse.

Descontaminação

O comandante do Corpo de Bombeiros Militar do Tocantins, coronel Reginaldo Leandro da Silva, informou que o órgão fará uma nova força-tarefa para descontaminar locais públicos. “Essa descontaminação vai ocorrer nas cidades com maior número de casos, nos locais de maior aglomeração. Estamos finalizando os detalhes para iniciar esse trabalho”, destacou.

Campanha de conscientização

Já o secretário de Estado da Comunicação, Élcio Mendes, falou sobre a mudança de estratégia na realização de campanhas educativas. “Além de informar as ações do Governo e de orientar a população. Nós entendemos que aquela campanha apenas educativa deixou de ser eficiente, então tivemos que ser um pouco mais duros na mensagem, precisamos ser um pouco mais incisivos, inclusive com imagens de cenas reais. Mostrar a imagem de uma pessoa entubada na UTI, na televisão, é um desafio grande, mas nós conseguimos fazer e estamos com ela no ar e o objetivo é impactar”, ponderou.

Também participaram da reunião, o secretário-chefe da Casa Civil, Rolf Vidal; o secretário de Estado da Fazenda, Sandro Armando; o secretário de Estado da Segurança Pública, Cristiano Sampaio; o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Silva Neto; entre outros representantes dos órgãos que compõem o Comitê.


Com 48,8 mil inscritos, PM adia aplicação de provas do concurso para dia 4 de abril

O Governo do Tocantins informou que as provas do concurso da Polícia Militar (PMTO)  estão remarcadas para o dia 04 de abril de 2021. A aplicação estava marcada para o próximo dia 14. A medida foi tomada em consenso entre o a prefeitura de Palmas e o Estado, devido ao alto número de casos recentes de Covid-19, bem como a alta ocupação dos leitos de UTI. O anúncio foi feito após a prefeitura de Palmas publicar novo decreto ontem, 03, para adotar medidas mais rígidas para a Capital, diante do agravamento de casos e hospitalizações.

Embora esteja definido o adiamento das provas, o prazo de inscrições para o certame não será prorrogado. No próximo dia 24, o Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) deve publicar na página dedicada ao concurso da PMTO um complemento ao edital divulgando locais e horários de realização das provas a serem realizadas no dia 04 de abril.

“Iremos monitorar o andamento do Estado para saber se teremos condições de efetuar (as provas) que à priori serão no dia 04 de abril”, destacou o Coronel Silva Neto, comandante geral das forças militares no Tocantins, sinalizando que um novo adiamento pode ocorrer dependendo da evolução dos casos de Covid-19 no Estado.

De acordo com Silva Neto, a determinação de adiamento por parte do governador Mauro Carlesse se deu após diálogo do comando geral e da comissão da PMTO à frente da realização do concurso com o poder municipal em Palmas e outros órgãos competentes.

“Visitamos o Tribunal de Justiça, o Ministério Público, e levamos à prefeita de Palmas nossa iniciativa de suspender o concurso temporariamente para o dia 04. Em Palmas, nós temos uma maior estrutura para realizar o concurso, de acordo com o número de candidatos”, frisou o coronel.

A prefeita de Palmas, Cinthia Ribeiro, havia suspendido, através de decreto que amplia restrições para circulação de pessoas na Capital a partir de sábado, 6, a realização do concurso. Em coletiva de imprensa, a prefeita afirmou que “não há como movimentar tantas pessoas na capital no cenário que estamos vivendo”.

O secretário de saúde do Estado do Tocantins, Edgar Tollini, atribui o adiamento do concurso ao “recrudescimento da pandemia” que exige prudência e prioridade às medidas sanitárias. “Nessa prova marcada para o próximo dia 14, estaríamos correndo um risco muito grande risco de aumento do número de casos, principalmente na capital”, disse.

O secretário de saúde destacou também que há um volume de inscrições de candidatos de outras regiões do Brasil, que vão precisar se deslocar para Tocantins para se submeterem às provas.

“Temos absoluta consciência que essa medida foi tomada para segurança de todos os candidatos do estado e os que vierem de fora também. Esse adiamento para o dia 04 é prudente e com tempo para que as pessoas possam se organizarem e que possamos recebê-las aqui com mais segurança”, ressaltou Edgard Tollini.

A Comissão de concurso da PMTO informou que o número de candidatos de inscritos no certame é de 44.019 para o quadro de praças policiais militares, 1.016 inscritos para o quadro de praças de saúde, 780 para o quadro de praças especialistas músicos, totalizando 45.815 candidatos. A concorrência por vaga será disponibilizada ainda nesta quinta-feira, 04, no site do Cebraspe.


Justiça Federal mantém até o final de março etapa preliminar de retorno gradual das atividades presenciais no Tocantins

95Até o dia 31 de março deste ano as unidades da Justiça Federal no Tocantins seguirão com 25% do total de pessoal trabalhando de forma presencial. Foi  publicada a Portaria SJTO-DIREF 54/2021 que amplia para o final de março o final da etapa preliminar de retorno gradual das atividades presenciais nas unidades jurisdicionais e administrativas no âmbito da Seção Judiciária do Tocantins (SJTO), em Palmas, e das subseções judiciárias de Araguaína e Gurupi.

Os atendimentos ao público externo seguem sendo realizados das  9h às 14h, mediante agendamento prévio de forma virtual, por meio do Microsoft Bookings (o link disponível no site da SJTO: portal.trf1.jus.br/sjto.

Retorno gradual das atividades

No início do mês de outubro do ano passado, as atividades presenciais na Seção Judiciária do Tocantins (Palmas) e subseções judiciárias de Araguaína e Gurupi, foram retomadas de forma gradual, com 25% do total de pessoal das unidades.  Os prazos processuais, nos processos físicos, também foram restabelecidos.

Desde então, estão sendo priorizadas audiências, despachos e sessões de julgamento virtuais ou presenciais com suporte de vídeo “ou possibilitando que o ato seja efetivado de forma mista, com a presença de algumas pessoas no local e participação virtual de outras que tenham condições para tanto”.

Restrição de acesso

No período de retorno gradual das atividades, o acesso às unidades jurisdicionais e administrativas nas dependências da SJTO será permitido apenas a “magistrados, servidores, colaboradores ou aos membros do Ministério Público e da Defensoria Pública, advogados, peritos e auxiliares da Justiça, assim como a partes, interessados e estagiários que tiverem o ingresso autorizado”.

Todos deverão obedecer aos critérios de medição de temperatura, descontaminação de mãos, com utilização de álcool 70%, utilização de máscara facial, além de outras medidas sanitárias eventualmente necessárias, “ficando impedida a entrada de pessoas com temperatura igual ou superior a 37,8º C”.

Horário de funcionamento

Também no dia 5 de outubro, entrou em vigor a Portaria SJTO-DIREF 9922131, que estabelece o novo horário de funcionamento das unidades da Justiça Federal no Tocantins. O horário de expediente interno será das 7h30 às 16h, nos dias úteis, de segunda a sexta-feira. Durante o período da etapa preliminar o atendimento ao público externo será das 9h às 14h.


Viveiro da APA Serra do Lajeado é referência na produção de mudas de árvores nativas do Tocantins

Uma comitiva da cidade de Araguanã visitou as novas instalações do viveiro de mudas nativas da Área de Proteção Ambiental Serra do Lajeado (APASL). O objetivo da visita foi verificar in loco os passos necessários para implantar uma estrutura semelhante para atender as necessidades do município. Criado em 2019, o viveiro já é referência, graças à sua capacidade de produção e aos resultados obtidos.

A comitiva foi recebida pela supervisora da APASL, Camilla Muniz, e pela secretária do Meio Ambiente de Lajeado, Lenizia Costa. Camila explica que o viveiro nasceu da necessidade de se produzir mudas suficientes para fazer com que árvores nativas voltassem a compor a paisagem local. ”Graças a doações de materiais, ao trabalho voluntário dos brigadistas e à parceria com a Prefeitura de Lajeado, o viveiro se tornou uma realidade e já está ajudando a reflorestar áreas protegidas do Tocantins”, resume Camilla.

O prefeito de Araguanã, Max Barbosa, se mostrou satisfeito com o trabalho desenvolvido no viveiro. “A visita ao viveiro de Lajeado foi muito importante, pois nos permitiu avaliar em campo quais os desafios que temos pela frente para implantarmos uma estrutura semelhante, sendo este nosso objetivo”, anunciou o prefeito. Para Max Barbosa, investimentos no viveiro trará, além dos benefícios ambientais, benefício econômico, uma vez que deixará o município mais bem pontuado no ICMS Ecológico.

Já o secretário de Meio Ambiente do município, Patrick Rangel, explicou que a necessidade de ter o próprio viveiro surgiu a partir do planejamento de algumas ações que o município pretende desenvolver, como o plano de recuperação de áreas degradadas, como no entorno do rio Lontra e do lixão. “Para isso, precisamos ter nosso próprio viveiro”.

Por fim, a engenheira ambiental Marina Carvalho, que também fez parte da comitiva da Prefeitura de Araguanã, afirmou que a visita técnica ao viveiro também inspirou para realização de várias ações, além de recuperação das áreas degradadas. “A comunidade como um todo também será beneficiada com a doação de mudas, que ajudarão a arborizar mais a cidade”, completou.

Camilla se mostrou bastante satisfeita com a visita e disse que o viveiro, além dos resultados práticos, como a produção e distribuição de mudas, também tem resultado subjetivo, que é servir de base para que municípios e outras entidades também se tornassem produtores de mudas nativas. “Nosso maior desejo é que árvores nativas voltem a ser vistas em todo o Tocantins”, finalizou a supervisora da APASL.


Gurupi suspende serviços não essenciais e cria toque de recolher por nove dias

05A Prefeitura de Gurupi publicou um novo decreto que endurece as medidas de combate à Covid-19. Em alguns pontos, as medidas são semelhantes as adotadas pela Prefeitura de Palmas, com suspensão dos serviços não essenciais. A diferença mais marcante é que em Gurupi haverá toque de recolher noturno, entre 22h e 5h, quando será proibida a circulação nas ruas da cidade.

O novo texto começa a valer no sábado (6) e segue em vigor até o dia 14 de março, um domingo. Neste período, podem funcionar, entre 6h e 20h, apenas os seguintes serviços:

Estabelecimentos de saúde relacionados a atendimento de urgência e emergência, clínicas médicas e de reabilitação, emergências odontológicas, clínicas de vacinação, clínicas de imagem, serviços de testagem para Covid-19, laboratórios, bem como clínicas veterinárias para atendimento emergencial

Farmácias e drogarias

Cemitérios e funerárias

Distribuidores e revendedores de gás e de combustíveis

Supermercados, mercados e mini-mercados (Funcionamento permitido até 21h)

Estabelecimentos de segurança pública e privada

Empresas privadas de transporte, incluindo táxis e aplicativos

Aquelas que realizem entrega em domicílio (delivery)

Empresas que atuam como veículo de comunicação

Hotéis, pousadas e correlatos

Assistência social e atendimento à população em estado de vulnerabilidade

Oficinas mecânicas e borracharias para realizar atendimento a urgências/emergências

Os únicos estabelecimentos que não estão com o horário de funcionamento limitado na cidade serão: postos de combustíveis (somente para abastecimento), farmácias, serviços hospitalares, serviços de hotelaria, de segurança pública e privada, de táxis e aplicativos, bem como empresas que atuam como veículo de comunicação

Bancos e casas lotéricas não entram no decreto porque têm o funcionamento regulado por lei federal. Nos domingos, todos os estabelecimentos comerciais têm que fechar.

Sobre o toque de recolher, apenas profissionais de saúde, fiscalização, limpeza Urbana, segurança pública, imprensa, catadores e pessoas em situação de rua, bem como quaisquer outros servidores públicos envolvidos no combate a Covid-19 podem circular a partir das 22h.

As multas para quem desobedecer as medidas vão de R$ 139,20 a R$ 1.044,00, além de responder por crime contra a saúde pública. Repartições públicas vão ficar fechadas neste período.

Por G1 Tocantins.


Preconceito contra o envelhecimento pode ser uma ameaça real à saúde

Aconteceu há aproximadamente um ano. Quando saí do metrô me deparei com uma propaganda de um serviço de entrega de comida na parede da estação, em que se lia: "Para quando você quiser comer um bolo inteiro por estar completando 30 anos, que basicamente são 50, o que praticamente significa que você está morto."

Depois que muita gente protestou contra o anúncio nas redes sociais, a empresa se desculpou por aquilo que chamou de humor, mas que eu chamaria de discriminação com base na idade (ou idadismo).

Talvez você se lembre de outra campanha na mídia, esta do segundo semestre do ano passado, cujo propósito era incentivar a participação de jovens nas eleições americanas de meio de mandato. Em busca desse objetivo tão louvável, marqueteiros recorreram a todos os estereótipos negativos relacionados a pessoas mais velhas - a saber: egoístas, confusas e despreocupadas com o futuro - para assustar os mais novos e fazê-los votar. A revista "Adweek" qualificou a campanha como "comicamente selvagem". Eu deletaria o "comicamente".

Tais agressões ficam menores quando comparadas às formas que esse tipo de preconceito costuma assumir: discriminação generalizada no mercado de trabalho, sistema de saúde injusto, piadas na mídia ou invisibilidade. Quando internalizada, essa visão preconceituosa pode levar à deterioração da saúde mental e física de idosos.

"É um problema incrivelmente difundido e sorrateiro", afirmou Alana Officer, à frente da campanha global contra o idadismo organizada pela Organização Mundial da Saúde, que define o fenômeno como "estereótipo, preconceito e discriminação" com base na idade. "Não afeta apenas indivíduos, mas como pensamos nossas políticas."

Como primeiro passo da campanha, anunciada em 2016, a OMS investiu 500.000 dólares (quase dois milhões de reais) em pesquisa. Quatro equipes ao redor do mundo estão coletando e avaliando as evidências disponíveis acerca do problema - suas causas e consequências para a saúde, como combatê-lo e a melhor maneira de mensurá-lo. O trabalho deles será publicado em um relatório da ONU a ser publicado dentro de um ano. E os organizadores esperam que cause uma mobilização internacional.

Um dos grupos de pesquisa, da Universidade Cornell, finalizou o trabalho e está prestes a publicar o estudo no periódico científico "American Journal of Public Health", trazendo, surpreendentemente, ótimas notícias.

A equipe passou um ano e meio examinando de forma meticulosa dezenas de artigos, publicados desde os anos 70 até 2018, e avaliando programas de combate ao idadismo, que se alastraram pelo país após o psiquiatra e gerontólogo Robert Butler ter cunhado o termo "ageism" (em português, idadismo) em 1969.

Contudo, Karl Pillemer, gerontólogo que lidera a autoria do estudo, levantou os seguintes questionamentos: "Mas eles são bons? As intervenções que pretendem mudar atitudes preconceituosas em relação à idade realmente funcionam?"

Os pesquisadores analisaram 64 estudos, a maioria conduzida nos Estados Unidos, envolvendo 6.124 participantes, desde crianças em idade pré-escolar até jovens adultos. Eles classificaram cerca de um terço dos programas estudados como intergeracionais, ou seja, criavam contatos entre jovens e idosos que, em teoria, poderiam reduzir o preconceito. O outro terço era educacional, ensinando fatos sobre o envelhecimento como uma maneira de desafiar estereótipos e mitos. O bloco remanescente combinava ambas as abordagens.

David Burnes, um dos autores do estudo e, hoje, gerontólogo da Universidade de Toronto, observou que esses esforços foram de pequeno alcance, sem grandes custos e locais. Entre eles, havia:

  • Um programa em que alunos de psicologia se correspondiam com idosos por e-mail, estreitando o relacionamento ao longo de seis semanas.
  • Um projeto de jardinagem que levou alunos do quarto ano do ensino fundamental para visitar um centro de assistência social para idosos no Tennessee duas vezes por semana durante um mês.
  • Um programa de quatro sessões realizado em uma escola de ensino médio na Austrália que promovia discussões, brincadeiras e jogos narrativos sobre envelhecimento e desenvolvimento do adulto.

De modo quase unânime, depois dessas intervenções, os participantes demonstraram significativamente menos comportamentos discriminatórios nos testes de atitude e mais conhecimento sobre envelhecimento em comparação aos grupos que não participaram. A abordagem educacional e intergeracional combinada foi a que se mostrou mais eficaz.

"A mensagem está clara. Atitudes preconceituosas contra a idade não parecem estar tão enraizadas como pensamos. Elas podem ser relativamente maleáveis", declarou Pillemer.

O tema é importante porque esse tipo de preconceito não está nem perto de ser benigno. "Esses estereótipos podem impactar diretamente a saúde e o comportamento de uma pessoa mais velha", esclareceu Becca Levy, psicóloga social da Escola de Saúde Pública da Universidade Yale e líder da revisão dos estudos sobre as consequências para a saúde patrocinada pela OMS.

A pesquisa que o grupo dela está revisando vai incluir um importante trabalho de sua própria autoria sobre o idadismo, conduzido durante 20 anos. Segundo demonstrado por Levy, pessoas mais velhas que enxergam o envelhecimento como positivo têm mais chances de se recuperar de alguma situação de doença do que aquelas que acreditam nos estereótipos negativos da velhice. Além disso, as do primeiro grupo estão mais propensas a comer bem e praticar exercícios, apresentam menos quadros depressivos e de ansiedade e vivem mais.

Recentemente, Levy e seus pares vêm investigando a relação entre idadismo e cognição.

"Os clichês negativos aumentam o risco de os idosos desenvolverem demência", afirmou ela. Esses indivíduos têm maior acúmulo de placas neuríticas e emaranhados neurofibrilares no cérebro, os biomarcadores da doença de Alzheimer e um hipocampo menor", a parte do cérebro associada à memória.

Isso não é brincadeira. Mesmo assim, "a aceitação social desse tipo de preconceito é grande", constatou Levy, destacando a televisão, as redes sociais e as interações cotidianas. Apesar de estudos terem concluído que crianças com três ou quatro anos já podem ter ideias discriminatórias de idade, agora "temos pesquisas que mostram ser possível superá-las".

Algumas questões essenciais seguem sem resposta. As pesquisas analisadas pelo grupo da Cornell acompanharam os participantes durante uma média de 15 semanas, por isso não sabemos qual a duração dos efeitos positivos de tais interações. Também não há dados suficientes sobre como mudar o idadismo internalizado da própria pessoa idosa.

Também não sabemos se e como as atitudes positivas se traduzem em ações. Cidadãos menos preconceituosos vão apoiar a aplicação de leis mais severas contra a discriminação de idade no ambiente de trabalho? Ou lutar contra os cortes de gastos negligentes no sistema de saúde e de previdência social?

No entanto, vendo como até mesmo as intervenções de curto prazo conseguiram mover o pêndulo comportamental, sinto-me estimulada a prosseguir com minha campanha pessoal antidiscriminatória. (A autora e ativista Ashton Applewhite montou uma organização on-line muito útil para a divulgação de informações, chamada Old School.)

Não é sempre fácil encontrar o equilíbrio entre ignorar mensagens ofensivas e repreender atitudes prejudiciais, mas as pessoas podem se manifestar sobre as generalizações preconceituosas relacionadas à idade.

Podemos tecer argumentos sobre os méritos de um ou outro político sem rejeitar candidatos simplesmente por serem velhos demais (ou jovens demais). Podemos valorizar e parabenizar quem não tem medo de mostrar a cara e a cor do cabelo verdadeiras (ao mesmo tempo que reconhece que, sim, o mercado de trabalho às vezes prega o oposto). Podemos protestar, de maneira gentil, mesmo quando amigos e familiares que amamos sucumbem ao pensamento estereotipado.

Há alguns meses, durante o momento de relaxamento na minha aula de exercícios matinais, a instrutora pediu que nós - ao som de uma música idílica - nos imaginássemos navegando pelo Sena em uma noite romântica. Imagine a lua, entoou. Imagine que você tem 30 anos.

Bem. Ela quis fazer uma brincadeira. Mas todos os alunos daquela aula tinham no mínimo duas décadas de vida a mais (inclusive ela) e ainda eram capazes de curtir uma noite de luar em Paris.

Um debate resultou daquilo. Argumento apresentado. Argumento compreendido.


Fazendeiros são denunciados por desmatar reserva; MP descobriu caso ao investigar queimada que atingiu 11 propriedades

Três fazendeiros de Nova Rosalândia, na região central do Tocantins, foram denunciados pelo Ministério Público por desmatamento ilegal de aproximadamente 61 hectares em uma reserva florestal. O MP informou que descobriu as irregularidades quando investigava uma queimada que atingiu 11 propriedades rurais da região em 2020.

Os três denunciados são sócios e donos da mesma fazenda. Eles entraram no radar do MP porque a queimada teve início na propriedade deles. Ao analisar imagens de satélite de anos anteriores os promotores identificaram o desmatamento irregular.

Pelo apurado até o momento, há indícios de que o desmatamento ocorreu ao longo de pelo menos oito anos, entre 2008 e 2016.

Os dois casos, do desmatamento da reserva e da queimada, serão apresentando a Justiça em processos distintos. Sobre o incêndio, o MP também vê indícios de crime. A hipótese dos investigadores é que a queimada foi para 'limpar' uma área que depois seria usada para plantar soja. Ao todo, o fogo destruiu 1.427 hectares.

O pedido com relação ao desmatamento é para que os donos da fazenda sejam condenados a recompor a área desmatada e a pagar indenização a título de dano moral e coletivo. Os nomes dos proprietários não foram divulgados ainda pelo Ministério Público, que aguarda decisão da Justiça sobre o caso. A denúncia sobre a queimada ainda não foi apresentada.

Por G1 Tocantins.