A Polícia Civil de Pedro Afonso indiciou  o avô do bebê de seis meses que morreu afogado no rio Tocantins após o barco em que a família estava afundar. O homem tem 51 anos e conduzia a embarcação. A polícia entendeu que ele não tinha intenção de matar, mas assumiu o risco do acidente por utilizar o barco durante a noite, sem iluminação, sem habilitação, sem coletes salva-vidas e transportando mais pessoas que a capacidade máxima.

Ele foi indiciado por homicídio duplamente qualificado com dolo eventual. As qualificações, no entender da polícia, foram o meio cruel e o recurso que impossibilitou a defesa da vítima.

O delegado Bernardo José da Rocha Pinto, responsável pela investigação, informou que o inquérito será enviado ao Poder Judiciário, que ainda deve analisar o caso para decidir o que fazer. O naufrágio foi no dia 30 de novembro e o corpo do bebê só foi localizado no dia seguinte. A família fazia a travessia entre Tupirama e Pedro Afonso.

O corpo do bebê foi localizado a quase 40 km do local do acidente, próximo a cidade de Itapiratins.

As informações são do  G1 Tocantins.