O presidente da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado, Omar Aziz (PSD-AM), disse que o presidente Jair Bolsonaro é “agressor de mulheres” e que o Brasil tem “um grande motoqueiro” e um “péssimo presidente”.

 “O Brasil tem um Presidente motoqueiro que, em vez de ir aos Estados, Municípios, e visitar um hospital, e visitar uma família que perdeu um ente querido, vai assacar contra os adversários. É uma pessoa que não tem sensibilidade, agressor de mulheres, gosta de gritar com as mulheres, mas adora andar de moto. Grande motoqueiro o Brasil tem; péssimo Presidente o Brasil tem.”

A fala de Aziz foi antes de ele suspender a reunião da CPI porque a diretora executiva da Precisa Medicamentos, Emanuela Medrades, usava seu direito de ficar em silêncio e não responder as perguntas dos senadores. A empresa intermediou o contrato de compra da vacina indiana Covaxin, que o deputado Luis Miranda (DEM-DF) acusa de ter tido irregularidades.

Aziz também citou a detenção, ordenada por ele, do ex-diretor de logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias. Disse que senadores governistas foram solidários a Dias e o acusaram de abuso de autoridade. O ex-funcionário da Saúde foi acusado de suposto pedido de propina de US$ 1 por dose da vacina negociada pelo vendedor Luiz Paulo Dominghetti.

“Arbitrariedade em mandar recolher um mentiroso que foi exonerado pelo governo porque estava negociando propina de US$ 1 por vacina num bar, tomando chope! E o Governo? Alvoroçado! Os membros do Governo aqui em defesa, dando entrevista: “É um absurdo! O Presidente está… Abuso de autoridade”. Abuso de autoridade são as mortes, é a omissão, é ser complacente com um governo que não tem um milímetro de solidariedade.”