O Banco Central (BC) deixou claro em comunicado divulgado após reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) que o corte de 0,25 ponto percentual, que levou a taxa básica de juros (Selic) para 6,75% ao ano, será o último. “Para a próxima reunião, caso o cenário básico evolua conforme esperado, o Comitê vê, neste momento, como mais adequada a interrupção do processo de flexibilização monetária”, informou a equipe de Ilan Goldfajn.

Conforme a autoridade monetária, o cenário externo tem se mostrado favorável, na medida em que a atividade econômica cresce globalmente.  Apesar desse movimento contribuir, até o momento, para manter o apetite ao risco em relação a economias emergentes, o BC alertou para a volatilidade recente das condições financeiras nas economias avançadas.

A Copom ainda detalhou que a frustração das expectativas sobre a continuidade das reformas e ajustes necessários na economia brasileira pode afetar prêmios de risco e elevar a trajetória da inflação no horizonte relevante para a política monetária. “Esse risco se intensifica no caso de reversão do corrente cenário externo favorável para economias emergentes”, detalhou o comunicado do BC.