O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, assinou  três ordens executivas para reverter a política dura de imigração de seu antecessor, o ex-presidente Donald Trump.

Entre as medidas, está a criação de uma força-tarefa para reunir crianças separadas de suas famílias ao serem detidas na fronteira dos EUA com o México. O tema gerou comoção pública desde 2018, quando relatos de violência com os menores imigrantes na região fronteiriça correram o mundo.

Não ficou definido, no entanto, se os pais deportados terão direito a voltar ao território americano para buscar seus filhos. Segundo o site da emissora NBC News, a força-tarefa só incluirá famílias que ainda estejam separadas.

Limitações a Biden

A maior parte dos decretos apenas indicam temas que devem ser revistos. Leis sobre a questão imigratória nos EUA costumam depender da aprovação do Congresso. O Partido Democrata controla tanto a Câmara como o Senado — entre os senadores, há um empate entre governo e oposição, e o voto de minerva fica com a vice-presidente, Kamala Harris.

“Não estou fazendo novas leis. Estou eliminando más políticas”, disse Biden no Salão Oval.

Assim, as outras mudanças estão na decisão do governo em rever medidas definidas tanto no governo Trump quanto no mandato de Barack Obama (2009-2017), de quem Biden foi vice-presidente. Uma das medidas a serem revertidas é a que estabelecia que requerentes de refúgio aos EUA pela fronteira esperassem o resultado — possivelmente uma negativa — em território mexicano.

Biden também assinou decreto que estabelece que o governo deverá reavaliar as diretrizes do governo Trump para determinar se essas ações estão ou não em linha com a defesa de integração das pessoas imigrantes.