O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que “seria acusado de interferência e irresponsabilidade” caso exercesse pressões pela vacina contra a covid-19. A declaração foi publicada nas redes sociais do presidente.

Bolsonaro ainda disse que existem quatro laboratórios com estudos clínicos em andamento no Brasil. No entanto, nenhum deles até o momento apresentou pedido de uso emergencial ou de registro da vacina junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“Temos pressa em obter uma vacina segura, eficaz e com qualidade, fabricada por laboratórios devidamente certificados. Mas a questão da responsabilidade por reações adversas de suas vacinas é um tema de grande impacto, e que precisa ser muito bem esclarecido”, escreveu.

De acordo com o presidente, assim que um dos laboratórios apresentar o pedido de uso emergencial e for acolhida pela Anvisa, a vacina “será ofertada a todos e de forma gratuita e não obrigatória”.

A declaração acontece um dia após o presidente dizer que o fato de outros países já terem começado a vacinar seus cidadãos e o Brasil ainda não, não o pressiona. No domingo, os 27 países da União Europeia iniciaram um esforço conjunto para imunizar toda a população. Em todo o mundo, mais de 40 países já estão com planos de imunização em andamento, incluindo países da América Latina, como Chile, México e Costa Rica.