A Câmara Municipal de Salvador (BA) aprovou um projeto de lei que retira o nome do educador Paulo Freire (1921-1997) de uma escola municipal da cidade. O professor foi chamado de energúmeno por Jair Bolsonaro na última segunda-feira (16). Para que se torne lei, a mudança precisa da sanção do prefeito ACM Neto (DEM). As informações são da Folha de S. Paulo.

O projeto de autoria do vereador Alexandre Aleluia (DEM) prevê que o colégio passe a ter o nome de José Bonifácio, patriarca da Independência do Brasil. Segundo o parlamentar, “graças ao método construtivista de Paulo Freire implantado nas escolas”,  o país figura nas últimas posições do mundo no ranking educacional.  Alexandre é um dos principais apoiadores de Bolsonaro no Estado e deve migrar para o novo partido do presidente, o Aliança pelo Brasil.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, a comunidade criticou a mudança e disse que não chegou a ser consultada sobre a alteração.

Paulo Freire é considerado o patrono da educação brasileira, tenso desenvolvido um método de alfabetização de  adultos que valorizava o saber do aluno. O professor acabou perseguido durante a ditadura militar e preso acusado de traição.  Ele foi filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT) e trabalhou como secretário de Educação em São Paulo durante o governo de Luiza Erundina.