A Abrava (Associação dos Condutores de Veículos Automotores) solicitou ao Ministério da Economia a extensão do programa de financiamento Crédito Caminhoneiro do BNDES. A linha acaba em 8 de junho.

O documento assinado pelo presidente da associação, Wallace Landim, conhecido como Chorão, relata insatisfação da categoria com a linha de crédito.

Criada em 2019, ofereceu R$ 500 milhões para a manutenção de veículos e compra de pneus. O jornal O Estado de São Paulo mostrou, no entanto, que o banco só liberou R$ 6 milhões no período (ou seja, 1,2% do total).

“Vamos cobrar. O que ofereceram para nós, vão ter que cumprir”, afirmou o líder da categoria ao Poder360.

Segundo Chorão, atualmente há uma boa interlocução  dos caminhoneiros por meio do ministro Tarcísio de Freitas (Infraestrutura).

Recentemente, o governo federal lançou o plano Gigantes do Asfalto, com várias benesses para a categoria.

Agora, o caminhoneiro espera uma resposta do Ministério da Economia para saber se a linha do BNDES pode ser prorrogada e dar ao motorista autônomo mais uma forma de melhorar a condição de trabalho.