Servidores da Educação e demais funcionários públicos do Estado fizeram um protesto durante a passagem do governador Mauro Carlesse por Araguaína, na quarta-feira (4), para cobrar a ampliação da rede hospitalar credenciada ao Servir, o antigo Plansaúde.

“Governador, evite a falência do plano de saúde. Amplie o número de credenciados à assistência”, dizia uma das faixas expostas na frente do local onde o governador estava sentado com as demais autoridades. “Basta, queremos um plano de saúde de qualidade em Araguaína”, cobrava a outra faixa.

O protesto, encabeçado pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sintet), foi motivado em razão do descredenciamento do Hospital e Maternidade Dom Orione (HDO), o maior da rede privada de saúde no estado. A unidade não atenderá mais pelo plano a partir de 20 de agosto.

Todos os atendimentos médicos hospitalares, incluindo cirurgias e internações, agora serão feitos apenas no Instituto Sinai.  Contudo, os servidores argumentam que a unidade não tem estrutura para atender a demanda de toda a região e querem que o governo restabeleça o convênio com o HDO.

Resposta do governador

Diante do protesto, o governador prometeu resolver a situação. “Eu respeito as pessoas que estão aqui lutando pelo Hospital Dom Orione, é o Sintet. Eu respeito. Não me sinto intimidado, de maneira alguma, pelo contrário. Toda reivindicação que venha a favorecer a população tem o meu apoio. Nós vamos lutar. O Dom Orione faz parte de Araguaína, faz parte do estado do Tocantins. Vocês podem contar com o meu apoio, junto com a secretaria, para que a gente resolva esse assunto o mais rápido possível”, garantiu Carlesse.