O estacionamento do Hospital Geral de Palmas, a maior unidade de saúde pública do Tocantins, segue sendo motivo de preocupação para quem trabalha no local. Os furtos constantes são motivo de reclamação há mais de um ano e a licitação para contratação de uma empresa de segurança, anunciada em 2019, ainda não saiu do papel. Uma enfermeira que pediu para não ser identificada já foi vítima três vezes.

“[Na primeira vez] Eles levaram som, objetos pessoais, documentos. O segundo foi menos de um mês depois e eles levaram o pneu reserva, o estepe. E o terceiro foi esse mês já, onde levaram novamente o pneu reserva”, conta ela.

A funcionária não está sozinha. O risco é tanto que um abaixo assinado chegou a ser elaborado pelos colegas delas. “No mês de maio nós colhemos assinaturas de diversos servidores da unidade. Nós colhemos quase mil assinaturas e encaminhamos à direção do hospital juntamente com cópia para o Ministério Público, porém até o momento nós não tivemos retorno”, explica outro funcionário.

O assunto já foi tema de diversas reportagens que mostraram casos de furtos de pneus e até veículos inteiros no estacionamento. Em junho o Governo do Tocantins chegou a anunciar a contratação sem licitação de uma empresa de segurança que atuaria em outras unidades e também no HGP. A justificativa para o procedimento sem a licitação era resguardar as instalações que guardam os estoques dos insumos e equipamentos de combate à Covid-19.

O Tribunal de Contas do Estado, entretanto, suspendeu a licitação. O entendimento do conselheiro André Luiz de Matos é de que a Secretaria de Saúde teve tempo hábil para fazer a contratação seguindo a lei de licitações e que a demora revela inércia do administrados.

Na quarta-feira (26) o Governo do Tocantins voltou a dizer que o procedimento para fazer a contratação segue em andamento. Não foi divulgado prazo para que a contratação seja feita.

As informações são do  G1 Tocantins.