Cerca de 10 mil contribuintes do Tocantins caíram na malha fina do Imposto de Renda neste ano. Muitos deles porque deixaram de declarar os auxílios financeiros que receberam do governo federal durante a pandemia, como no caso das pessoas que tiveram redução de salário e jornada de trabalho.

Três dias após o fim do prazo para entrega das declarações o contador Mayk Araújo já começou a resolver pendências de clientes. Ele explica que muitos contribuintes não lembraram que precisavam declarar o complemento salarial recebido da União.

“Já presenciei situações em que está na malha fina por conta disso. A pessoa ligou, entrou em contato, perguntando ‘porque a Receita está me cobrando um rendimento que eu não recebi, eu trabalho para X empresa. Eu não recebi desse local’. Aí eu criei um código de acesso, consultei e vi para ele: o que está constando é do Ministério da Economia porque teve a suspensão do contrato de trabalho dele”, contou.

Segundo balanço da Receita Federal foram entregues 187 mil declarações este ano no Tocantins, sendo que 10 mil caíram na malha fina.

O delegado da Receita Federal orienta que é preciso corrigir as informações o mais breve possível.

“Lembrando que se ela não fizer essa correção vai receber uma intimação da Receita Federal para que esclareça e explique as situações que o levaram a cair na malha fina. A partir do momento que ela recebe a intimação, perde a capacidade de corrigir a sua declaração de maneira espontânea”, explicou.

Para quem se antecipou e não caiu na malha fina o pagamento da restituição já começou. O primeiro lote saiu no dia 31 de maio e o segundo será em 30 de junho, com lotes sucessivos até setembro.

Por  G1 Tocantins.