O vice-presidente da Câmara, deputado Marcelo Ramos (PL-AM), respondeu à publicação do presidente Jair Bolsonaro sobre a abertura de um processo no Senado contra os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) Roberto Barroso e Alexandre de Moraes.

Em seu perfil no Twitter, Ramos disse: “Chega dessa graça de criar problemas artificiais para um país cheio de problemas reais”.

“Chegou a hora do senhor falar de como vai enfrentar 15 milhões de desempregados, 19 milhões com fome, juros crescentes, inflação descontrolada na comida, energia e combustível”, afirmou.

  O  presidente disse em seu perfil no Twitter que levará na semana que se inicia o pedido para que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), instaure os processos.

Fontes ligadas ao Senado disseram que Pacheco não deve tomar decisão rápida sobre os processos contra ministros do STF. Uma possibilidade seria Pacheco levar o caso em banho-maria até a situação se acalmar e, depois, arquivar. O presidente da Casa é conhecido entre os senadores por adiar decisões que causem conflito.

Um processo por crime de responsabilidade contra ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) depende do aval do presidente do Senado e de 3 votações na Casa para prosperar.

Mesmo com o peso político da presidência da República, um processo de crime de responsabilidade contra 2 ministros do STF ao mesmo tempo tem futuro improvável.

Jair Bolsonaro está em atrito com Moraes e Barroso por motivos diferentes.

Barroso é presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e defensor das urnas eletrônicas. Bolsonaro atribui a ele a derrota da PEC (proposta de emenda à Constituição) do voto impresso na Câmara, na última semana.

Nos últimos meses, o presidente da República proferiu ofensas contra Barroso. Chamou-o de “imbecil”, “idiota” e “filho da puta”.

Além disso Barroso teve reunião com o vice-presidente da República, general Hamilton Mourão na última semana. Bolsonaro acredita que Mourão articula seu impeachment.

Esse  encontro foi o estopim para Bolsonaro declarar que pedirá processo contra os ministros.

Moraes, por sua vez, é responsável por prisões de pessoas próximas ao bolsonarismo. O presidente do PTB, Roberto Jefferson, foi detido na 6ª feira (13.ago.2021) por ordem de Alexandre de Moraes.

Em fevereiro, o ministro determinou a prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) depois de o congressista atacar verbalmente integrantes da Corte.

Moraes também abriu investigação contra o presidente Bolsonaro por suposto vazamento de inquérito sigiloso da PF (Polícia Federal). Bolsonaro compartilhou o documento nas redes sociais depois de mencioná-lo em entrevista á Rádio Jovem Pan.

O ministro também aceitou uma notícia-crime do TSE para incluir o presidente Bolsonaro no inquérito das fake news. Com isso, o presidente passa a ser investigado por declarações contra o processo eleitoral.

Por Poder 360