A China acelerou sua imunização contra a covid-19. De 6,2 milhões de doses aplicadas por dia em 7 de maio, o país pulou para 14,9 milhões de aplicações em 23 de maio. Os dados são do Our World in Data.

A China estava em um ritmo lento de vacinação nos últimos meses, apesar de ser uma das principais nações produtoras de vacinas. O país apresentou uma alta de 31% no número de casos de covid-19, mas o total continua baixo no cenário mundial. São 107.195 registros de infecção no total, de acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde). Mas a situação regional é preocupante.

A variante chamada de indiana é potencialmente mais transmissível. Assim, o número de casos na Índia aumentou consideravelmente. Outros países asiáticos também registraram aumento de abril a maio, segundo os dados regionais compilados pela OMS.

Com isso, a aplicação de vacinas avançou para quase 15 milhões de doses por dia para a imunização de seus habitantes, aproximadamente 1,4 bilhão de pessoas . No total, o país já administrou 388,2 milhões de doses, mas o país não informa quantas pessoas já receberam apenas a 1ª dose e quantas estão completamente imunizadas, ou seja, recebeu as duas doses da vacina.

Não está claro o quanto o esforço na campanha interna pode influenciar a exportação de vacinas e insumos da China pode ser afetada. O país é o principal fornecedor de IFA (Insumo Farmacêutico Ativo) das vacinas da CoronaVac e da AstraZeneca, utilizadas no Brasil.

Em maio, a chegada dos insumos no Brasil atrasou ao ponto da produção da CoronaVac ser paralisada no país. O Instituto Butantan afirmou que a demora para a entrega não era por falta dos insumos na China e sim por questões diplomáticas.

“Questões referentes à relação diplomática Brasil x China podem, sim, estar interferindo diretamente no cronograma de liberação de novos lotes de insumos“, disse o Butantan em 13 de maio. Na ocasião, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e integrantes do governo federal tinham feito declarações contra a China.

Mas a liberação dos lotes de IFA ocorreu depois de uma reunião de governadores com o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming. “A China, fraterna com o povo brasileiro, está comprometida em parceria de vacinas”, afirmou Wanming na 5ª feira (20.mai).

Depois da entrega do IFA, no sábado (22.mai), o embaixador chinês cobrou, indiretamente, o reconhecimento e um agradecimento do governo brasileiro. O Ministério da Saúde tinha publicado uma mensagem em que se referia de forma genérica à origem dos insumos como do “exterior“.