Um choque na agenda de eventos do Espaço Cultural de Palmas com duas programações agendadas para o mesmo dia e horário na noite deste domingo, 5, sendo uma a convenção do candidato a governador Carlos Amastha (PSB) e o espetáculo musical Mamonas Assassinas causou um princípio de tumulto durante os discursos políticos da convenção do ex-prefeito.

Uma representante da Fundação Cultural de Palmas que não quis gravar entrevista confirmou que os dois eventos foram de fato agendados para o mesmo dia e horário. No entanto, ela afirma que o problema só foi detectado nesse sábado, dia 4, e que em virtude disso, ficou acordado entre a organização da convenção e o pessoal do teatro que Amastha encerraria sua convenção às 19 horas em ponto, o que só aconteceu 40 minutos após o horário previsto no acordo.

A representante da Fundação Cultural informou ainda que o órgão deve se pronunciar nessa segunda-feira, 6, sobre o ocorrido.

Atores e a organização do evento tentaram invadir o palco dos discursos, mas foram contidos por correligionários do ex-prefeito que tentavam uma nova negociação pacífica. Durante o calor das discussões, a produtora e idealizadora do espetáculo, Rose Dalney e o advogado do ex-prefeito, Leandro Manzano chegaram a bater boca.

“Aconteceu que eles marcaram este evento que impossibilita a realização do espetáculo. Fizeram um acordo prometendo que a convenção acabaria às 19 horas o que não aconteceu, estou com meu elenco inteiro aqui na porta do palco querendo subir para impedir a fala do candidato a governador, pois lá dentro tem mais de 500 pessoas que pagaram seus ingressos e estão esperando para assistir, o que está acontecendo aqui é um desrespeito com o público e com a cultura”, reclamou Rose Dalney.

“As pessoas pagaram por este ingresso e agora está acontecendo essa palhaçada, o que é mais importante o candidato a governador ou o povo”? “como vamos acreditar em um político que não respeito 500 pessoas”, criticou.

Procurado para comentar o assunto, o advogado Leandro Manzano disse que não iria comentar o ocorrido, apenas forneceu cópia do ofício que comprova a reserva do espaço pela equipe de Amastha das 20h às 22 horas. Já assessoria de comunicação de Amastha disse que ficou acordo para que o musical passasse o som pela manhã e que a previsão para o término da convecção seria às 19 horas.

Espetáculo

Relembrando os grandes sucessos do grupo Mamonas Assassinas, o diretor José Possi Neto vem comandando desde a última sexta-feira, 3, três espetáculos musicais contando a história da banda. Neste domingo, a sessão estava marcada para às 19 horas, no Theatro Fernanda Montenegro no Espaço Cultural em Palmas.

Com o texto divertido e cheio de músicas de Walter Daguerre, os atores Rafael Aragão, Jessé Scarpelini, Pedro Reis, Elcio Bonazzi, Arthur Ienzura e Reginaldo Sama formam o quinteto que interpreta os cinco músicos que integraram os Mamonas Assassinas, que teve uma carreira rápida, mas intensa nos anos 90, antes do acidente aéreo que os tirou da cena pop brasileira.

O espetáculo busca apresentar a identidade brasileira, o teatro musical com a alegria e irreverência que é própria do nosso País, exemplificada na história do grupo musical. O texto traz uma estética de brincadeira que permeia toda a encenação, apresentando a mesma descontração e escracho que a banda mostrava dentro e fora dos palcos. ( As informações são do Jornal do Tocantins).