O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) decidiu pedir esclarecimentos ao Ministério Público do Rio sobre a responsabilidade do órgão no arrombamento da loja de chocolates pertencente ao senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), para apurar se ficou configurado abuso de autoridade no episódio. Em resposta a uma representação apresentada pela defesa do senador, a Corregedoria Nacional do Ministério Público proferiu despacho nesta quinta-feira solicitando os esclarecimentos.

A representação foi movida pelos advogados Luciana Pires, Juliana Bierrenbach e Rodrigo Rocca, da defesa de Flávio, contra a promotora Patrícia Villela, coordenadora do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (Gaecc), que era responsável pela investigação quando tramitava em primeira instância. Na representação, a defesa também acusa o MP do Rio de ser responsável pelo vazamento de informações sigilosas da investigação e pede que o fato seja apurado.