A primeira cidade do Brasil a tornar obrigatório o uso de máscaras, ainda em abril do ano passado, a Prefeitura de Araguaína publicou novo decreto na sexta-feira, 5, tornando facultativo o uso da proteção individual em locais públicos e privados.

Obrigatório em unidades de saúde

O decreto também mantém a obrigatoriedade da máscara em todas as unidades de saúde públicas e privadas de Araguaína que atendam pacientes contaminados com covid-19, sendo proibida a entrada e a permanência de qualquer funcionário ou paciente sem máscara no local, podendo o infrator ser responsabilizado em caso de descumprimento.

Menos casos e internações

Para justificar a medida, a prefeitura afirmou que se baseia na redução do número de casos de Covid-19 na cidade e baixa ocupação dos leitos de UTI.

80% de vacinados

No entanto, a recomendação de infectologistas, levando em consideração a taxa de eficácia das vacinas atuais, o adeus à máscara só deveria se dito quando no mínimo 80% da população acima de 18 anos estivesse vacinada, e com as duas doses.

Não é hora

No mês passado, em entrevista à CNN Brasil, o o infectologista do Instituto de Infectologia Emílio Ribas Jamal Suleiman afirmou que “ainda não é hora de suspendermos o uso de máscara”. “Não alcançamos a taxa de 80% de vacinados ainda, que é o ideal”, defendeu.

Não é prudente

O infectologista e pesquisador da Fiocruz, Julio Croda, também criticou a possível liberação do uso de máscara falando do caso da cidade do Rio. Ele explicou que não é “prudente” desobrigar a proteção facial com uma taxa vacinal tão baixa. O pesquisador ainda destacou que a medida depende do cenário epidemiológico. “Acho que não está sendo prudente essa medida, principalmente com uma taxa vacinal baixa, com apenas 65% da população imunizada [no caso do Rio]. É um nível muito baixo de vacinação quando comparamos com outros países, por exemplo. E, além da imunização, o cenário epidemiológico é fundamental para as flexibilizações. Precisamos dar a dose de reforço nos idosos, por exemplo”, apontou.

67%

No caso de Araguaína, segundo a prefeitura, apenas 67% da população recebeu as duas doses ou a dose única.

Comemorou

Em nota, a Associação Comercial e Industrial de Araguaína (Aciara) comemorou a decisão sobre o facultativo das máscaras. “Para o comércio é uma conquista, pois os decretos anteriores previam multas e até o fechamento de estabelecimentos, caso algum cliente estivesse sem a máscara”, afirma a entidade.

Confira a íntegra da nota da associação:

“A Associação Comercial e Industrial de Araguaína (ACIARA) ressalta a importância da publicação do Decreto Municipal 078/2021, que tornou facultativo o uso de máscaras em locais abertos e fechados em nossa cidade. Para o comércio é uma conquista, pois os decretos anteriores previam multas e até o fechamento de estabelecimentos, caso algum cliente estivesse sem a máscara.

A Associação também concorda com a recomendação do uso de máscaras e das medidas restritivas, porque mesmo diante de um cenário positivo, com a redução dos casos de contaminação e internação hospitalar, e o avanço da vacinação na cidade, devemos manter todos os cuidados para vencermos, definitivamente, a Covid-19.

A Aciara esclarece que já havia solicitado ao prefeito tornar facultativo o uso de máscara, mas reafirma que é favorável a todas as ações, que visam o controle da pandemia e incentiva os empresários a seguirem as determinações que buscam a proteção da população”.