Com quase três mil mortes em todo o país pelo novo coronavírus, segundo boletim divulgado nesta quarta-feira pelo Ministério da Saúde, governadores já estudam a flexibilização das medidas de distanciamento social, sugeridas pela Organização Mundial de Saúde para reduzir a disseminação da covid-19 e tentar evitar a sobrecarga nos hospitais. Segundo o ministério, o número de pessoas infectadas no Brasil subiu para 45.757. Em São Paulo, o governo anunciou hoje um plano para flexibilizar as medidas de restrição para o setor econômico a partir de 11 de maio. O Distrito Federal estuda reabrir as escolas do Ensino Médio no dia 18 de maio. No Rio, o governo estuda permitir a reabetura dos shoppings e do comércio de rua, em horários alternados e com limite de pessoas por estabelecimento.

O governador Wilson Witzel deverá decidir sobre o relaxamento da quarentena em reunião amanhã com secretários. Atualmente, o comércio formal de serviços não essenciais se encontra fechado por força do decreto estadual que estabelece a quarentena devido à pandemia de coronavírus. Também será avaliada a exigência de os comerciantes sinalizarem, no chão, o distanciamento de um metro e meio para filas — seja para entrar nos shoppings, para entrar em lojas ou para, já dentro do estabelecimento, pagar pelo produto adquirido.

De acordo com o boletim divulgado  pela Secretaria estadual de Saúde do Rio, 5.552 pessoas foram contaminadas pela doença e foram registradas 490 mortes.

Em São Paulo, o plano apresentado hoje pelo governador João Doria prevê a divisão do estado em zonas de risco para aplicar suspensão da quarentena. O governo vai classificar os 645 municípios do estado em zonas vermelha, amarela e verde, de acordo com o rsico de contaminação. A flexibilização do isolamento começará pelas regiões menos afetadas e com menor risco.

São Paulo está sob regime de isolamento social desde 24 de março. A taxa de isolamento social registrada no estado e na capital paulista na terça-feira, feriado de Tiradentes, foi de 57%.

A suspensão do isolamento social no estado está condicionada a circunstâncias de evolução da pandemia nos próximos 15 dias e não prevê, em uma primeira fase, um retorno do funcionamento de escolas.

Para liberar o funcionamento das escolas no distrito Federal, o governador Ibaneis Rocha informou hoje que a data escolhida (18 de maio) atende à necessidade do governo local de fazer licitações para comprar dois milhões de máscaras que serão distribuídas nas escolas. Ele também pretende exigir a instalação de lavabos nas entradas das instituições de ensino, para que todos os alunos possam higienizar as mãos na chegada. A estimativa é que a medida atinja cerca de 30% dos estudantes do Distrito Federal.

— As Secretarias de Educação e Saúde apresentaram um modelo adotado na Alemanha A ideia é começar pelo Ensino Médio, porque você consegue ter a utilização de máscaras por ser um pessoal mais consciente e também se consegue fazer testes — disse Ibaneis.

Flexibilização em outros estados

Onze estados já tomaram medidas para flexibilizar o isolamento social imposto nas últimas semanas como forma de combater a disseminação do coronavírus no Brasil. A conclusão é de um levantamento da liderança do governo no Congresso Nacional, obtido pelo GLOBO.

O documento mapeia ações de flexibilização em Goiás, Paraná, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina, Maranhão, Distrito Federal, Tocantins, Espírito Santo, Paraíba, São Paulo e Sergipe.