O ano de 2020 foi extremamente difícil em vários aspectos. Uma pandemia, jamais cogitada, instaurou uma crise sanitária e uma crise econômica no mundo. O comércio de Palmas passou por momentos complicados ao longo do ano e muitos empresários tiveram de se reinventar para conseguir manter as portas abertas.

No segundo semestre, as vendas começaram a melhorar, mesmo que de uma forma mais lenta e isso ajudou o comércio palmense a fechar 2020 com um prejuízo consideravelmente pequeno. Conforme apontam os números da base de dados do SPC Brasil, operada pela CDL Palmas na Capital, em comparação a 2019 o número de vendas caiu 0,3%. Apesar de não ter fechado o ano “no azul”, a leve queda é um respiro para os comerciantes.

“Esse número, apesar de negativo se tratando de porcentagem, é positivo quando avaliamos em todo o contexto. O comércio perdeu muitas vendas para o e-commerce. Nossas campanhas para incentivar a compra no comércio local surtiram efeito, pois o índice de queda foi mínimo”, explicou Silvan Portilho, presidente da CDL Palmas.

Outros dados importantes são referentes à negativação em Palmas. O comércio da Capital inicia o ano de 2021 com 79 mil documentos negativados, o que representa um valor de R$62 milhões em dívidas a receber. No entanto, o número de pessoas incluídas no cadastro de negativação é menor do que o do ano anterior. Em comparação a 2019, a inclusão de negativações caiu 13%.