O levantamento de safra mais recente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) indica que o Tocantins deve sofrer uma queda na produção agrícola na safra 2020/2021. Os dados indicam que a área plantada deve aumentar 3,3% e chegar a 1,6 milhões de hectares. Apresar disso, a produtividade reduzida das lavouras vai gerar uma diminuição de 1% na produção de grãos, ficando em 5,7 milhões de toneladas.

O fenômeno também é observado em outros estados da fronteira agrícola conhecida como Matopiba, sigla para Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia.

Na Bahia, que tem a maior produção agrícola dos quatro estados, a queda deve ser de 1,3%, mesmo a área plantada aumentando 0,2%. No Maranhão a queda prevista é de 3,1% frente a um crescimento de 1,9% na área das lavouras. O Piauí é o único dos quatro estados que deve apresentar queda nos dois indicadores, com redução de 0,2% na área planta e de 6,2% na produção dos grãos.

No Tocantins, o produto que mais tem puxado o indicador de produção para baixo é o milho. A Conab estima que mesmo com as lavouras deste grão aumentando 1,4% em tamanho, a produção delas deve cair 7,3% quando comparada com a safra 2019/2020. Em números absolutos a Conab espera que sejam produzidos 1,3 milhões de toneladas de milho, mais de 100 mil toneladas a menos que no plantio anterior.

A soja, que é o principal produto agrícola do Tocantins, deve ter crescimento na produção, mas queda de produtividade. A área plantada vai aumentar 3,9%, mas a produção deve crescer apenas 1,5%. Isso significa que as lavouras serão 2,3% menos produtivas nesta safra. O total de grãos do tipo que serão produzidos deve chegar a 3,6 milhões de toneladas.

O boletim de acompanhamento da Conab aponta que a maior expansão das novas áreas de soja deve ser no município de Peixe. A queda na produção se explica por causa das chuvas irregulares. Em dezembro, os produtores relataram que tiveram que replantas algumas áreas porque não choveu no momento necessário após a primeira tentativa.

A Conab consultou os modelos meteorológicos do Instinto Nacional de Meteorologia (Inmet) e concluiu que para a região do Matopiba, há “tendência de irregularidade na distribuição das chuvas”. A companhia estima que há maior probabilidade de chuvas “dentro da faixa normal ou acima” no Tocantins e no sul do Maranhão. Na Bahia e no sul do Piauí, as probabilidades mais altas de acordo com o modelos são de chuvas abaixo da média.

As informações são do  G1 Tocantins.