O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou nesta 3ª feira (25.mai.2021) que o Congresso Nacional pode editar medida para prorrogar o auxílio emergencial por mais 1 ou 2 meses.

Ele participou da 22ª edição da CEO Conference Brasil, promovida pelo banco BTG Pactual. “[O auxílio emergencial] pode eventualmente ser reeditado por mais 1 ou 2 meses enquanto não há implantação de um programa perene de assistência social”, declarou o congressista.

 “Independentemente de qual seja o cenário relativo ao auxílio emergencial, precisaremos estabelecer a discussão e a implantação efetiva de um programa social que incremente ou substitua o Bolsa Família, atingindo um maior número de pessoas realmente necessitadas”, acrescentou.

O governo federal prepara uma reformulação do Bolsa Família. Segundo a ministra-chefe da Secretaria de Governo, Flávia Arruda, as propostas de mudanças devem ser apresentadas nos próximos meses, com aumento de valor e número de beneficiários.

A nova rodada do auxílio emergencial começou a ser paga em abril de 2021. Em 2020, foram 9 parcelas, de R$ 600 e de R$ 300. Em 2021, o governo decidiu estender o benefício em mais 4 partes, com menor valor, –de R$ 150 a R$ 375– a 45,6 milhões de pessoas.

Questionado sobre a redução do valor do benefício, Pacheco disse que os “valores pagos foram os possíveis”.