As mudanças que o governador Cláudio Castro pretende fazer em seu secretariado devem abrir espaço para que o ex-deputado Coronel Jairo (Solidariedade), pai do vereador Dr. Jairinho — preso acusado da morte do menino Henry de 4 anos —, volte a ocupar uma vaga na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). Coronel Jairo é o primeiro suplente da coligação formada por Solidariedade e PTB, em 2018. Ele terá caminho livre para assumir o posto, caso o deputado Rodrigo Bacellar seja oficializado em um cargo do novo secretariado de Castro, o que é dado como certo na Casa. Bacellar é cotado para as secretarias de Governo e de Cidades.

Preso em novembro de 2018 pela Operação Furna da Onça, sob suspeita de participar de um esquema de venda de votos na Alerj e distribuição de cargos públicos, Coronel Jairo havia recebido 24.620 votos no mês anterior. O resultado não foi o suficiente para se reeleger, mas ele garantiu a primeira suplência. Desde dezembro de 2019, Coronel Jairo está solto graças a um habeas corpus e não tem impedimentos legais para assumir o cargo. O filho dele, Dr.Jairinho, foi expulso do Solidariedade no mês passado. Ele é acusado de homicídio junto com a mulher, a professora Monique Medeiros, mãe de Henry Borel