O presidente da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado, Omar Aziz (PSD-AM), encerrou o depoimento do líder do Governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), depois de o colegiado considerar que o deputado mentiu aos senadores.

Ele acatou uma questão de ordem do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), que pediu para que a CPI consulte o STF (Supremo Tribunal Federal) sobre o que pode ser feito em casos de um deputado mentir à comissão. Ele também pediu que Barros voltasse como convocado só depois da resposta do Supremo.

“É um momento grave da vida nacional, que não comporta molecagens, que não comporta brincadeira, exige respostas sérias, exige que a gente tenha verdade. E não temos como fazer isso com essas circunstâncias e com esse depoente”, disse Vieira.

Aziz transformou  a convocação de Ricardo Barros em convite. Na prática, a mudança é simbólica, porque desobriga o deputado de comparecer à comissão, mas ele foi ainda assim. Agora, a ideia de convocar Barros é que ele não tenha como escapar de perguntas ou das regras da CPI, já que será obrigado a ir ao Senado no dia e hora que os senadores definirem.

“O convite é uma deferência que a gente faz a quem a gente respeita. A convocação é para a quem a gente perde o respeito, para quem desrespeita a comissão“, disse Aziz.

Depois da decisão da CPI, Barros disse: “Eu não tenho nenhum problema de vir aqui. Eu fui ao Supremo Tribunal Federal pedir para vir aqui“.

O líder do governo afirmou que a CPI suspendeu a sessão “porque os argumentos não estavam bons“. Aziz disse que o motivo foi para poderem pedir informações sobre “quais medidas tomar de uma pessoa que vai lá e mente“.

O senador Alessandro Vieira afirmou que “a CPI não pode perder tempo com molecagem“. Segundo ele, a discussão é se Barros pode mentir ou não. “Um cidadão comum que mentir em juramento, vai preso“, disse Vieira. “Ele tem liberação para a mentir? Eu entendo que não“.

Barros disse que eles podem perguntar ao STF sobre o que “faz com alguém que mentiu“. Afirmou: “como eu não menti, não vai acontecer nada, minha imunidade eu não perco“.

O depoimento do líder do Governo na Câmara dos Deputados foi suspenso depois que Barros criticou a comissão. O deputado disse que a CPI está trazendo efeitos negativos ao país.

“Eu espero que essa CPI traga bons resultados para o Brasil, produza um efeito positivo, porque o negativo já produziu muito”, disse durante seu depoimento.

O líder do Governo disse que a comissão “afastou muitas empresas interessadas em vender vacina no Brasil, que não se interessam mais”. A fala levou a um bate-boca entre os congressistas.

O presidente da CPI afirmou que Barros “tem alguma razão”. Afirmou: “Afastamos as vacinas que você do governo queria tirar proveito”.

Depois de deixar a sessão, o deputado deu entrevista a jornalistas e comentou sua crítica: “Uns senadores concordaram achando que espantaram pessoas que estavam ilegitimamente e outros discordaram achando que eu estava depreciando o trabalho da CPI”.

Por Poder360