Desde que o coronavírus fechou estabelecimentos não essenciais nos primeiros meses de 2020 no mundo todo, o impacto financeiro desse movimento afetou significativamente muitas pessoas. As sequelas desse cenário, porém, podem ser invisíveis.

A saúde mental piorou para muitos durante a pandemia, mas essas experiências são especialmente mais agudas entre as pessoas economicamente menos favorecidas. Entre os adultos americanos com 18 anos ou mais, a prevalência de sintomas de depressão foi mais de três vezes maior durante a pandemia de Covid-19 do que antes, de acordo com um estudo de setembro de 2020.

Além disso, ter renda mais baixa e exposição a mais fatores de estresse, como perda de emprego, foram associados a um risco 50% maior de sintomas de depressão durante a pandemia.

E a instabilidade financeira também pode, é claro, impactar mais a saúde física. Mais de um ano após o início da pandemia, alguns adultos ainda se preocupam diariamente em poder pagar sua moradia, alimentar e pagar pelos cuidados de saúde para si e suas famílias. Alguns leitores compartilharam como suas ansiedades financeiras se manifestaram como irascibilidade, depressão, consumo excessivo de álcool, pensamentos sombrios e desespero.

O que aconteceu após as recessões anteriores é um padrão informativo quando consideramos os efeitos potenciais do estresse financeiro muito depois do fim da pandemia, disse Brad Klontz, psicólogo financeiro e cofundador do Your Mental Wealth Advisors e do Financial Psychology Institute.

“Temos alguns estudos que foram feitos após a crise financeira (2007-2009)”, disse Klontz, professor associado de prática em psicologia financeira e finanças comportamentais no Heider College of Business da Universidade Creighton, em Nebraska.

“Em um nível individual, a tensão financeira está associada à depressão, ansiedade e problemas de relacionamento. Mas também vimos isso coletivamente quando uma comunidade é atingida por execuções hipotecárias. Mesmo que sua casa não tenha sido executada, há esse estresse coletivo que todos experimentam, e as taxas de hospitalização tendem a subir. ”

Quando as crises geram medo perpétuo

As possíveis implicações da ansiedade financeira podem ser rastreadas desde a Grande Depressão, a desaceleração econômica mundial de uma década que começou em 1929.

Pouco tempo depois, não havia muita pesquisa sobre as repercussões na saúde mental, pois “não tínhamos realmente definido o trauma ou o estresse pós-traumático como realmente um problema”, disse Klontz.

Curiosamente, “levou a uma experiência traumática para muitas pessoas. E, se você conhece alguém que viveu isso, criou uma geração inteira de colecionadores que estão preocupados em não ter o suficiente para o futuro – então, muita ansiedade, como uma mentalidade de escassez e um medo profundo de não ter o suficiente que parecia ter atravessado toda a cultura. ”

Depois que o avô de Klontz perdeu todo o seu dinheiro quando os bancos quebraram durante a Grande Depressão, ele ficou tão traumatizado que nunca colocou um dólar no banco pelo resto de sua vida, em vez disso, usa um cofre, disse Klontz.

O comportamento pós-depressão do avô de Klontz é apenas um exemplo de como um período difícil pode ter um impacto duradouro ao mudar as crenças e a ansiedade em torno do dinheiro, disse Klontz em uma entrevista de 2020 para a American Psychological Association.

Experimentar algum grau de estresse durante crises financeiras é normal e negar a situação não seria útil. Mas, se não forem processadas, essas ansiedades podem se tornar disfuncionais com o tempo, manifestando-se em comportamentos extremos, irracionais ou obsessivos, disse Klontz.

Os especialistas oferecem conselhos sobre como você pode perceber se está trilhando esse caminho e como administrar mental e praticamente durante esse tempo.

A linha entre normal e disfuncional

Apegar-se rigidamente a crenças sobre em quem ou no que você pode confiar e como o mundo funciona — apesar das evidências ou possibilidades contraditórias –, é um sinal de que as ansiedades normais originadas de uma circunstância financeira estressante estão começando a assumir o controle, disse Klontz.

Outros sinais incluem problemas em seu relacionamento, capacidade de dormir à noite e funcionamento emocional, disse Klontz. “Quando você vê manifestações de entesouramento e vê jogo compulsivo, compra compulsiva, 80% das pessoas que apresentam esses tipos de comportamento também têm um histórico de trauma”, disse Klontz.

É uma “reação comum passar por um período de escassez e trauma e ter medo de não ter o suficiente”, acrescentou. “É a resposta do cérebro para tentar sobreviver e se certificar de que você está seguro.”
Quanto mais fortes foram suas emoções durante a situação inicial, mais você pode manter esses padrões, que alguns profissionais de saúde mental reconhecem como co-dependência, um padrão de relacionamento disfuncional em que uma pessoa é psicologicamente dependente ou controlada por pessoas, comportamentos, coisas ou substâncias.

O ímpeto do comportamento disfuncional neste contexto costuma ser uma preocupação em torno de uma questão financeira estressante ou traumática, e então a preocupação se torna “realmente difícil de se livrar”, disse Klontz. “Por exemplo, crescendo na pobreza, a crença é que não há dinheiro suficiente ou nunca haverá dinheiro suficiente.”

“Se isso estiver realmente ligado à emoção, vejo duas coisas acontecendo. Uma delas, é uma situação em que uma pessoa até ganha dinheiro o suficiente, mas tem tanto medo de ficar sem, que não aproveita a vida adequadamente “, explicou Klontz. Por outro lado, essa crença pode levar a um desamparo aprendido em que alguém pensa: “‘Se nunca haverá dinheiro suficiente, por que se dar ao trabalho de tentar?’”, acrescentou. “‘Então, se eu conseguir um cartão de crédito, vou usá-lo.’”

Estes são sintomas de “luto retardado”, quando você “não está disposto a aceitar ou discutir a emoção profunda que está sentindo”, disse Sonya Lutter, professora do departamento de ciências humanas aplicadas da Universidade Estadual do Kansas e um planejador financeiro certificado. Até que você reconheça essas emoções e preocupações, acrescentou ela, você pode tentar resolvê-las com coisas superficiais que o façam sentir-se bem temporariamente.

Enfrentamento e recursos para suporte acessível

Conversar com um profissional de saúde mental para processar o estresse financeiro atual ou qualquer sofrimento atrasado relacionado a finanças no futuro pode ajudar, diz Lutter.

Outra maneira de prevenir ou interromper o pensamento catastrófico é praticando a flexibilidade mental para que você possa se adaptar às novas circunstâncias, disse Klontz. Se você tivesse vivido durante a Grande Depressão e concluído que nunca mais poderia confiar seu dinheiro aos bancos, por exemplo, você escreveria sua crença em um parágrafo e então a analisaria.

“Para tornar isso mais preciso, é como, ‘Bem, às vezes você não pode confiar seu dinheiro aos bancos. E essas são as circunstâncias em que você pode, e essas são as circunstâncias em que você não pode’”, disse Klontz . Dessa forma, você não está contando com verdades parciais em todas as circunstâncias.