Para celebrar os 90 anos do Cristo Redentor, a Casa da Moeda Brasileira lança, nesta terça-feira (12), medalhas comemorativas à estátua do Rio de Janeiro.

O monumento, que foi considerado uma das Sete Maravilhas do Mundo Moderno em 2006, será homenageado com peças exclusivas e limitadas no mês do aniversário.

Ao todo, foram produzidas 90 medalhas de ouro, 200 de prata, 300 de bronze e 2.000 de cuproníquel (níquel com cobre).

Além disso, foram confeccionados 800 exemplares de um produto de decoração chamado Cristo Tran$forma, objeto feito a partir de notas descartadas durante a produção de dinheiro. Destes, 700 estarão disponíveis para a pré-venda a partir da próxima sexta-feira (15). Os itens serão comercializados no site da Casa da Moeda.

Os valores das unidades, entre medalhas e a peça de decoração, variam conforme o material de fabricação. Os artigos mais baratos são os confeccionados em cuproníquel, no valor de R$ 60.

As medalhas de bronze, por sua vez, serão vendidas a R$ 145. Já as de prata custarão R$ 647. Por fim, as de ouro podem ser adquiridas por R$ 3.700.

Todas as medalhas serão licenciadas pelo Santuário Arquidiocesano Cristo Redentor e fazem parte do Projeto Tran$forma. O programa foi desenvolvido pela Casa da Moeda, em parceria com a empresa Equipa Group, que atua no ramo sustentável.

Mercadorias a partir do descarte

O presidente da Casa da Moeda Brasileira, Hugo Cavalcante Nogueira, explica que o foco do projeto é produzir mercadorias a partir do descarte de outras já existentes.

“A Casa da Moeda tem trabalhado fortemente para estimular a sustentabilidade nos seus processos de produção. Com a lógica da economia circular, a vida útil das notas produzidas vai além de sua função como dinheiro e o papel é transformado em móveis e objetos, sem gerar passivo no descarte”, afirma.

“O Tran$forma não é só benefício para o meio ambiente, é, também, de responsabilidade social”, acrescenta o executivo.