O vice-presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do Estado do Tocantins (Sindepol/TO), Mozart Felix, protocolou no gabinete do Governador um ofício que pede a adequação de subsídios da categoria de acordo com a Lei 2.853/2014. Cópias desse mesmo documento estão sendo disponibilizadas também para o Secretário de Administração, Geferson Barros e para o Secretário da Fazenda, Paulo Antenor de Oliveira.

Segundo Felix,  “o objetivo é garantir que o governo pague no próximo dia 12 o salário já com o reajuste, pois orçamento ele têm, uma vez contratou uma empresa para consultorias ao custo de R$ 20 milhões.”

O aumento escalonado deveria ter sido pago em quatro parcelas a partir de janeiro de 2015. No entanto, o governador suspendeu a lei por meio de um decreto e não pagou o reajuste alegando inconstitucionalidade. No dia 06 de julho o Tribunal de Justiça votou pela constitucionalidade da lei questionada através Ação Direta de Inconstitucionalidade – (ADI).

Segundo o secretário da Administração, Geferson Barros, o aumento nos salários dos policiais civis poderá causar um colapso na folha de pagamento, pois segundo ele, apenas com os delegados, a implementação custaria mais de R$ 3 milhões mensais. Com a nova Lei, cada profissional passará a ganhar acima do teto constitucional, que é o salário do Governador.