A quantidade de migrantes detidos na fronteira sul dos Estados Unidos aumentou 71% em março em comparação com o mês anterior, para mais de 172 mil pessoas. É o maior número em 15 anos, e houve um forte aumento de menores não acompanhados, segundo dados oficiais.

O número de menores não acompanhados registrou um aumento de 100% em um mês, ao somar mais de 18 mil crianças, de acordo com os dados da Fiscalização de Alfândega e Proteção de Fronteiras dos Estados Unidos (CBP).

Pais de 445 crianças separadas na fronteira dos EUA ainda não foram localizados

Os números na fronteira “estão em alta desde abril de 2020 devido a razões que incluem a violência, os desastres naturais, a insegurança alimentar e a pobreza no México e nos países do Triângulo Norte da América Central”, disse a patrulha da fronteira.

“Isso não é algo novo”, afirmou Troy Miller, comissário interino do CBP.

Segundo as autoridades, 60% dos migrantes que chegaram nos Estados Unidos – cerca de 104 mil pessoas – foram expulsos. Deles, 28% eram migrantes que já haviam sido deportados do país.

O governo de Joe Biden enfrenta crescentes pressões para administrar a situação na fronteira e abrigar os menores não acompanhados.

Encontro de Kamala com López Obrador

Na quarta-feira, a vice-presidente Kamala Harris (responsável por trabalhar com México, Guatemala, El Salvador e Honduras para abordar as causas fundamentais do fluxo de migrantes nos Estados Unidos) falou com o presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador.

López Obrador afirmou que “existe disposição” por parte do México para somar vontades no combate ao tráfico de pessoas e proteção dos direitos humanos. No entanto, o presidente insistiu que a migração irregular só vai ser contida quando as causas que a propiciam forem atendidas.