O terceiro discurso de Bolsonaro na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), na próxima terça, 21/09, deve funcionar como um ensaio do que ele pretende mostrar ao completar os 1.000 dias de governo, marca que alcançará no fim de setembro e que tem mobilizado alta expectativa na gestão.

Por um lado, Bolsonaro tentará mostrar como seu governo avançou com a vacinação dos brasileiros e conteve a pandemia ao mesmo tempo em que irrigou a economia com um auxílio emergencial que beneficiou quase um terço da população e impediu uma recessão mais aguda em 2020. Além disso, focará em realizações para, nas palavras de integrantes do próprio Itamaraty, “desarmar a bomba” da questão ambiental que o próprio governo ajudou a montar e que trouxe danos à imagem internacional do país.

Por outro lado, tentará caracterizar que o tom mais pragmático em certos assuntos não o afasta dos princípios que o elegeram – e que agradam sua base mais aguerrida. São esperadas citações a temas como o marco temporal (que limita a possibilidade de demarcação de terras indígenas àquelas ocupadas por eles em 1988), à liberdade de expressão da direita em redes sociais e a valores cristãos e conservadores.

Para o Itamaraty, que preferia que Bolsonaro evitasse menções a temas controversos – e fizesse um discurso mais ao sabor da fala dele na 13ª cúpula dos Brics (grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), há alguns dias, quando o presidente chegou a dizer que a parceria com a China tem sido “essencial” para o combate da pandemia por seu governo -, a expectativa é que a agenda positiva que o presidente vai apresentar solape eventual repercussão negativa dos aspectos mais ideológicos da apresentação.

No Itamaraty, a percepção é que o presidente “já surpreendeu positivamente em abril”, na Cúpula do Clima promovida pelo presidente americano, Joe Biden, e portanto a expectativa agora seria “positiva”.

O Itamaraty sabe, porém, que a Assembleia Geral da ONU é uma plataforma valorizada pelo presidente e que ao menos trechos do discurso devem escapar ao tom discreto e pragmático que o chanceler Carlos França tem tentado imprimir à atuação do Itamaraty.

“Ele provavelmente vai apresentar algo mais moderado, mas não veremos uma versão ‘Bolsonarinho paz e amor'”, diz Guilherme Casarões, professor de relações internacionais da Fundação Getulio Vargas, em uma alusão ao Lulinha Paz e Amor criado pelo marqueteiro Duda Mendonça em 2002 para amenizar a imagem de radical do ex-presidente Lula.

‘Agenda positiva’

Além de destacar que o Brasil é o país em desenvolvimento com metas mais ambiciosas, tanto no combate ao desmatamento (zerar até 2030) quanto à emissão de gases do efeito estufa (alcançar a neutralidade até 2050) e relembrar que o Brasil detém mais de 80% de sua matriz energética de fonte limpa, os diplomatas brasileiros querem que Bolsonaro anuncie em plenário o cumprimento de uma promessa que fez em abril, na Cúpula do Clima, a Biden.

Na ocasião, o brasileiro havia dito que dobraria a verba de fiscalização para coibir a devastação ambiental. Em meados de agosto, o governo anunciou incremento de 118% nos recursos de órgãos como o Ibama. E ainda no mês passado, os dados apontaram uma queda no desmatamento, interrompendo uma tendência de alta.

As sinalizações são vistas como fundamentais para voltar a atrair o investidor estrangeiro. “Acredito que avançamos. Antes o presidente até negava que houvesse um problema, agora reconhecemos o desafio do desmatamento e estamos enfrentando”, afirmou à BBC News Brasil um embaixador, em caráter reservado.

Em outra frente, França defende que Bolsonaro explore o bom momento do país na pandemia. O Brasil recém-ultrapassou os EUA em proporção de cidadãos vacinados com pelo menos uma dose (68,1% a 63%), embora esteja muito distante em relação à taxa dos vacinados com duas doses (37% a 54%). Possivelmente pelo avanço na imunização, a média móvel de casos e mortes por covid-19 recuou para patamares inferiores ao verificado ao longo do último ano. A expectativa do Planalto é que até o fim de outubro o país tenha a maioria da população completamente imunizada.

Isso possibilitaria, segundo afirmou um embaixador à BBC News Brasil, que Bolsonaro fizesse um anúncio: o Brasil pretende doar doses de vacinas contra a covid-19 para outros países da América Latina que enfrentam escassez de doses, como o Paraguai, o Peru e o Haiti. O movimento seria uma tentativa de retomar certo protagonismo na região, enfraquecido depois que o governo Bolsonaro deixou de priorizar o Mercosul e as relações Sul-Sul.

Ainda para reafirmar a importância global do Brasil, Bolsonaro deve falar sobre a recém-conquistada vaga não permanente no Conselho de Segurança da ONU e mencionar que o país estendeu a afegãos o visto humanitário, que já havia sido disponibilizado a sírios e haitianos.

Temas controversos

Para o brasilianista Brian Winter, editor-chefe da publicação americana Americas Quartely, a tentativa de agenda positiva faz sentido para atrair o investidor estrangeiro, que “está particularmente interessado em questões de meio ambiente e em ver se Bolsonaro fará alguma observação que signifique confronto entre Poderes ou fragilidade à democracia”.

“O problema é que mesmo que ele faça afirmações contundentes em favor do meio ambiente, muita gente não vai acreditar porque Bolsonaro tem um problema de credibilidade”, diz Winter.

A questão da vacinação é um exemplo da fragilidade que o brasilianista aponta. A defesa da imunização em massa esbarra na condição pessoal do presidente brasileiro, o único líder do G-20 a afirmar não estar vacinado. “O que acontece, você vai tomar vacina para que? Para ter anticorpos. A minha taxa de anticorpos está lá em cima. Eu te apresento o documento, estou com 991 (no exame médico IgG). Então eu estou bem. Vou tomar vacina CoronaVac, por exemplo, que não vai chegar a essa efetividade, para que eu vou tomar? Agora, todo mundo já tomou vacina no Brasil? Depois que todo mundo tomar, eu vou decidir meu futuro aí”, afirmou o presidente, ao lado do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que também compõe a comitiva que foi a Nova York.

Outro tema que o presidente promete abordar, para contrariedade dos diplomatas, é a questão do marco temporal, atualmente em análise pelo Supremo Tribunal Federal. “O que eu devo falar lá (na ONU)? Algo nessa linha: se o marco temporal for derrubado (pelo STF), se tivermos que demarcar novas terras indígenas —hoje em dia temos aproximadamente 13% do território nacional demarcado como terra indígena já consolidada—, caso tenha-se que levar em conta um novo marco temporal, essa área vai dobrar”, afirmou Bolsonaro em live antes de chegar a Nova York.

Segundo Bolsonaro, se o STF rejeitar a tese do marco temporal, a “segurança alimentar” do Brasil e do mundo estaria em risco, em provável referência à redução das terras disponíveis para a produção do agronegócio. Existe a tensão entre integrantes do governo que uma menção a um assunto sob deliberação de outro poder possa reacender a crise institucional, amenizada pela carta recuo de Bolsonaro, elaborada pelo ex-presidente Michel Temer em 09/09.

Outro provável tema do presidente brasileiro será a defesa da liberdade de expressão de lideranças da direita global, que ele acredita estarem sendo silenciadas pelas grandes empresas tecnológicas do Vale do Silício, como Twitter e Facebook. O tema foi um dos que animaram a militância bolsonarista no 7 de Setembro. O assunto foi alvo de uma Medida Provisória assinada por Bolsonaro, mas que acabou devolvida ao Planalto pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. A mesma medida também havia sido barrada em decisão da ministra do STF Rosa Weber. Neste domingo, 19/09, o governo anunciou que enviaria um projeto de lei ao Congresso com teor semelhante ao da MP derrubada.

Bolsonaro chegou a Nova York no fim da tarde deste domingo. Em frente ao hotel do presidente, cerca de dez pessoas protestavam contra o marco temporal e chamavam o mandatário de “criminoso” e “genocida”. Bolsonaro, no entanto, não viu o protesto porque entrou no hotel por uma porta secundária.

O discurso do brasileiro, que abre a 76ª Assembleia Geral da ONU, será na manhã da próxima terça, 21. Além da fala, o presidente também se encontrará com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e com o presidente da Polônia, Andrezj Duda. Com ambos, o presidente brasileiro tem afinidades ideológicas.