Na tentativa de sensibilizar a população na intenção de reabrir bares e restaurantes no período noturno, diversos estabelecimentos da capital colocaram faixas com a seguinte frase “não vendemos drogas! Respeite nosso trabalho! Precisamos reabrir”.  A alusão é uma interpretação livre da fala do vereador Folha Filho (Patriota) feita na terça-feira passada, 4 de maio, em sessão da Câmara Municipal de Palmas. Confira aqui a sessão.

 Folha disse, durante seu pronunciamento de voto, que não compactuava com um requerimento de urgência que é a favor da morte e que era errado “fazer a comparação de quem vai ao supermercado comprar feijão, farinha, carne, com quem vai no boteco tomar cerveja e usar droga”. O vereador continuou dizendo que não ia contribuir com a aprovação do mesmo. “Eu sou contra” disse.

O requerimento de urgência é do vereador Rubens Uchôa (Cidadania), que pediu a flexibilização das atividades ligadas ao setor de bares e restaurantes, no período da noite. Conforme o pedido, que já foi enviado à Prefeitura de Palmas, os estabelecimentos podem ficar abertos das 18h à meia-noite.

O pedido só recebeu votos contrários dos vereadores Folha Filho (Patriota) e Solange Duailibe (PT), que é líder da gestão de Cinthia Ribeiro na Casa de Leis.

Hoje, restaurantes podem funcionar todos os dias das 11h às 15h, com 50% da capacidade. O horário noturno ainda não está liberado. Já os bares permanecem fechados, podem trabalhar das 8h às 0h apenas com delivery ou retirada no local.

 Repercussão nas redes sociais

Na  segunda-feira, 10, este tipo de manifestação foi vista na porta de vários restaurantes e bares. Imagens do ato estão rodando as redes sociais. No Twitter discussões foram travadas. Uma usuária questionou o protesto dos estabelecimentos perguntando se aquilo era realmente necessário. “É assim que se comportam? Perderam uma cliente. E aí galera vão passar pano?”

 O comércio que ela mencionou, que funciona como bar e restaurante, afirmou que o conteúdo da faixa trata- se de uma resposta à declaração do parlamentar. “A questão é que nosso vereador José de Lago Folha Filho fez uma declaração dizendo que não podemos abrir porquê somos ponto de venda e consumo de drogas. Nossa manifestação é por respeito e pelo direito de trabalhar. Nossos estabelecimentos empregam famílias” disse o estabelecimento.