O crescimento da zona do euro foi melhor do que o esperado no segundo trimestre, sinal de que os efeitos negativos das tensões no comércio global podem ser vistos apenas no final do ano.

No entanto, enquanto a economia cresceu 0,4 por cento no segundo trimestre, acima das previsões de crescimento de 0,3 por cento em pesquisa Reuters com analistas, a produção industrial do bloco de 19 países caiu 0,7 por cento em junho, por conta de fraco investimento em máquinas e equipamentos, informou o escritório europeu de estatísticas Eurostat.

A estimativa preliminar de crescimento do Eurostat também foi superior à previsão anterior de expansão de 0,3 por cento. A agência também revisou o crescimento anual para 2,2 por cento, sobre 2,1 por cento antes.

O resultado mensal revisado, se confirmado pelos dados finais a serem divulgados em 7 de setembro, mostraria que o bloco manteve ritmo de crescimento de 0,4 por cento nos dois primeiros trimestres do ano.

A estimativa melhor do que o esperado poderia aumentar a confiança do Banco Central Europeu (BCE) em reduzir seu programa de compra de ativos, mas as perspectivas de crescimento permanecem incertas, por conta do desempenho da produção industrial.

O bloco foi superado pelos Estados Unidos, que dobraram para 1 por cento o crescimento trimestral, sobre 0,5 por cento no primeiro trimestre do ano.