O senador Eduardo Girão (Podemos-CE) anunciou nesta 2ª feira (19.abr.2021) que disputará a presidência da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) do Senado que investigará a conduta do governo durante a pandemia e o uso de recursos da União transferidos para Estados e municípios. O congressista é apoiador do presidente da República, Jair Bolsonaro.

Há acordo envolvendo a maioria dos integrantes da CPI para que o presidente do colegiado seja Omar Aziz (PSD-AM). O amazonense não é opositor, mas é crítico ao governo.

Girão enviou ofício ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), informando da intenção de concorrer. “A sociedade espera um trabalho sério e técnico do Senado para que não aconteça outra frustração com um triste final”, declarou no documento. Leia a íntegra (644 KB).

O acordo também envolve o nome de Renan Calheiros (MDB-AL) para ser relator. Renan foi próximo dos governos petistas e, agora, tem feito acenos ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Governistas prefeririam que o relator fosse Marcos Rogério (DEM-RO).

Haverá disputa pelo cargo até o último momento –a instalação da CPI deverá ser nesta 5ª feira (22.abr.2021). Relator e presidente ditam o ritmo de uma comissão.

A comissão só andou depois de decisão do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso. O presidente do Senado não queria instalar o colegiado.

O requerimento de CPI que circulava era para investigar apenas o governo federal. Pacheco juntou a ele outro requerimento, de Eduardo Girão, para incluir a investigação dos recursos repassados a outros entes da Federação.

Bolsonaristas têm dito que o governo fez sua parte transferindo recursos a governadores e prefeitos. Esses, por sua vez, teriam usado mal as verbas. A escalada no número de mortos pelo coronavírus aumentou a pressão sobre o governo.