Diversos estudos já mostraram que a poluição do ar está ligada ao aumento de casos de diabetes, problemas cardíacos e até maior risco de desenvolver demência.

Agora, em um novo estudo, pesquisadores das instituições University of Washington, Columbia Univerty e University of Buffalo, dos Estados Unidos, concluíram que a poluição do ar, especialmente causada pelo ozônio no nível do solo, tem feito aumentar o desenvolvimento de enfisema pulmonar.

 Publicada no periódico JAMA, a pesquisa demonstrou que o aumento dos níveis de ozônio no nível do solo pode estar conectado ao aumento de problemas pulmonares.

Como o estudo foi feito:

  • Os médicos das três universidades acompanharam um grupo multirracial acompanharam por 18 anos (entre 2000 e 2018) um grupo de sete mil pessoas em seis cidades metropolitanas dos EUA: Chicago, Winston-Salem, North Carolina, Baltimore, Los Angeles, St. Paul, Minnesota e Nova York.
  • Participantes vieram de dois grupos de estudo dos EUA: o MESA (Multi-Ethnic Stucy of Atherosclerosis) e Air and Lung, financiados pelo National Heart, Lung, and Blood Institute.
  • Os médicos aplicaram métodos de avaliação à exposição de poluentes no ar na casa dos participantes dos estudos, coletando medidas detalhadas ao longo dos anos tanto da vizinhança em que eles moravam quanto das regiões metropolitanas.
  • Eles então realizavam ao menos uma tomografia computadorizada por ano nos participantes. Em alguns casos, eles também optavam por fazer testes respiratórios para medir a velocidade de inspiração e expiração.
  • O resultado é que, se o nível de ozônio do ambiente estiver maior do que a média, os habitantes têm maior risco de desenvolver enfisema pulmonar. O resultado é equivalente ao de pessoas que fumam um maço de cigarro por dia durante 29 anos.
  • O estudo ainda determinou que os níveis de ozônio estão aumentando no país, em parte por causa das mudanças climáticas. As médias anuais dos níveis de ozônio nas áreas estudadas estavam entre 10 e 25 ppb (partes por bilhão).

Por que isso é importante?

Além de corroborar a tese de que a poluição ambiental é extremamente prejudicial ao corpo humano e responsável por causar inúmeras doenças, a pesquisa também demonstra os efeitos específicos causados pela exposição de longo prazo ao ozônio.

Enquanto a maioria dos poluentes transportados pelo ar está em declínio pelo sucesso de medidas preventivas para reduzir essas substâncias no ar, os níveis de ozônio estão aumentando. O ozônio no nível do solo é produzido principalmente quando a luz ultravioleta reage com os poluentes produzidos pelos combustíveis fósseis.

De acordo com os médicos que desenvolveram o estudo, as doenças crônicas de pulmão estão aumentando nos EUA, inclusive entre os não-fumantes. Por isso, acreditam, é importante entender o que está causando essas doenças. Comum e difícil de ser evitada, a poluição parece ser um fator importante nesse cenário.

O estudo ainda adiciona mais dados às crescentes evidências de ligação entre poluição e enfisema. Um melhor entendimento do impacto dos poluentes nos pulmões pode nos levar a formas mais eficientes de prevenir e tratar essa doença, acreditam os cientistas.