O relator da MP (medida provisória) 1.031, que autoriza a capitalização da Eletrobras, deputado Elmar Nascimento (DEM-BA), afirmou que a inclusão da contratação de energia de usinas termelétricas movidas a gás natural, criticada por Rodrigo Maia, foi combinada com o governo e que as opiniões do ex-presidente da Câmara tem objetivo político.

“Não pode ter nada de alguém do Democratas que ele [Rodrigo Maia] critica para tentar justificar a saída [do partido] sem correr risco de perder mandato”, afirmou ao Poder360.

“Isso [a inclusão do gás natural] foi negociado com o governo que já ia fazer o leilão mediante decreto, nós achamos por segurança jurídica fazer na lei, mas está tudo acordado com o Ministério de Minas e Energia”, completou.

A bancada do DEM pediu a expulsão de Maia do partido na última 6ª feira (14.mai) depois de discussão do ainda demista com o presidente da sigla, ACM Neto.

Atualmente, a lei impede que um deputado saia do partido e mantenha o mandato sem que a legenda autorize. Por isso, uma outra possibilidade é alegar perseguição –mas seria necessário provar na Justiça Eleitoral.

Embora o DEM não deseje mais Rodrigo Maia dentro da sigla, tampouco pretende dar razão para que o deputado alegue estar sendo vítima de uma sanha persecutória dentro da legenda.

ENTENDA AS CRÍTICAS

O ex-presidente da Câmara criticou o parecer pelo Twitter. “Relatório da MP da Eletrobras é uma vergonha. Alguns pontos ruins foram retirados, mas está mantida a polêmica questão dos gasodutos e termelétricas. O que isso tem a ver com a privatização da Eletrobras?“, disse.

“O gás é ou não uma matriz energética? […] Tanto é que o texto foi construído com o Ministério de Minas e Energia”, rebateu o relator. A medida provisória trata, originalmente, da autorização para o aumento no capital social da empresa. O governo, atualmente acionista majoritário, fica autorizado a fazer uma oferta pública de ações.

Ao Poder360, Rodrigo Maia reforçou as críticas ao texto redigido por Elmar Nascimento. “Quero ver alguém ter coragem de defender esse relatório imoral que foi apresentado hoje”, declarou.

Mais cedo, durante entrevista para comentar o parecer publicado nesta 3ª feira (18.mai), Elmar ressaltou que o uso de usinas térmicas movidas a gás natural é mais barato do que as movidas a diesel. No documento, afirma ter feito a inclusão por causa da “necessidade de conferir maior segurança energética no cenário de transição decorrente da desestatização da Eletrobras”.

Atualmente, por causa dos baixos níveis de água nos reservatórios das usinas hidrelétricas –principais fontes de energia elétrica do país– todas as térmicas foram acionadas para dar conta da demanda. A medida pode ter impacto nas contas de luz já em junho.

Além disso, o Brasil importa energia da Argentina e do Uruguai desde outubro para mitigar o risco de colapso. Segundo o governo, o Brasil passa pela maior crise hídrica desde 1931.