Em almoço com empresários, o ministro Paulo Guedes (Economia) ouviu uma série de críticas ao texto de reforma tributária proposto pela equipe dele ao Congresso. O projeto patrocinado por Guedes anda assustando a Faria Lima por promover uma série de mudanças no Imposto de Renda, como a volta da tributação sobre dividendos e o fim do juros sobre capital próprio (uma forma de as empresas remuneram seus acionistas).

Pragmático, Guedes escutou as reivindicações. Disse que é um liberal e que não pretende aumentar a carga tributária. Segundo o ministro, o Brasil passa por uma janela de oportunidade para aprovar mudanças nos tributos, com forte recuperação do PIB e da arrecadação federal. A ideia tem o apoio do presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), que queria votar o texto até o final da próxima semana, quando começa o recesso do Legislativo.

O grupo de empresários pede mais tempo para negociar pontos do projeto que podem ser danosos às companhias, como o fim do juros sobre capital e a “baixa redução” do Imposto de Renda sobre as empresas (o texto propõe corte de 5 pontos percentuais).

O sentimento geral dos presentes no almoço, promovido pela Esfera (empresa recém-criada com o objetivo de aproximar lideranças públicas e privadas) é de que a reforma não será votada rapidamente e está aberta para ser alterada.

Simulações feitas por especialistas apontam que a reforma tem potencial de aumentar a carga tributária sobre alguns setores. Guedes nega. Sinaliza um corte de até 10 pontos percentuais no IPRJ para todas as empresas, mas desde que algumas isenções fiscais (na ordem de R$ 40 bilhões) sejam extintas. Na lista de cortes avaliados, estão os subsídios às grandes companhias de bebidas que utilizam créditos obtidos com o xarope concentrado de refrigerantes em operações na Zona Franca de Manaus.

Também há a ideia de tentar extinguir novamente o Reiq (Regime Industrial da Indústria Química), regime especial zera as alíquotas de PIS e Cofins para importação de matérias-primas para a produção industrial –tal como a Nafta. A ideia já foi proposta neste ano e rejeitada pelo Congresso.

O Poder360 apurou que cerca de 40 pessoas participaram do encontro organizado pelo empresário João Camargo, presidente da Esfera, em São Paulo. O Ministério da Economia divulgou mais cedo uma lista com 33 pessoas convidadas. Nem todos participaram. Da relação que foi divulgada, estiveram presentes Jean Jereissati (Ambev,) José Berenguer (XP), Luiz Carlos Trabuco (Bradesco) e José Olympio (de saída do Credit Suisse), entre outros