Os aeroportos em todo o mundo tiveram queda acentuada no movimento em 2020 influenciados pela pandemia de Covid-19. O vírus paralisou o mercado de viagens aéreas no Brasil por praticamente dois meses e diminuiu drasticamente a demanda no restante do ano. No Aeroporto de Palmas, o maior do Tocantins, não foi diferente. A quantidade de passageiros que passaram pelo terminal foi 56,2% menor na comparação de 2020 com 2019. O resultado é o pior em 12 anos.

Ao longo de 2020 foram registradas 252.662 chegadas ou partidas de passageiros em Palmas. A última vez que um número menor foi registrado foi em 2008, quando o terminal teve 241.930 passageiros. Em 2019, antes da pandemia atingir o Brasil, foram 576.795 viagens feitas de ou para a capital do Tocantins.

A queda no número de pousos e decolagens registradas no aeroporto foi ainda mais drástica, foram 2.290 ao longo do ano, redução de 61,5%. O número de movimentos na pista de Palmas é o menor da série histórica do Ministério da Infraestrutura, que começa em 2004. No ano anterior o terminal tinha recebido 5.948 pousos ou decolagens.

Apesar disso, há sinais de retomada na demanda por viagem de avião. Os piores meses da pandemia para o setor aéreo foram abril e maio, quando praticamente não houve movimento. Em Palmas, ao longo desde dois meses, o número de passageiros caiu para menos de 4 mil. Desde então, os números registram alta mensal, com o total de passageiros de dezembro ficando em 32.296.

As companhia aéreas também tentam abrir novas rotas para atrais passageiros pela oportunidade de realizar as viagens com menor número de conexões e assim passar menos tempo em aeroportos. No fim de 2020 a Gol começou a operar o primeiro voo direto entre Palmas e Salvador (BA). Para o mês de janeiro, a Azul operou uma rota especial de alta temporada entre Palmas e Cuiabá (MT), que deve ser descontinuada no fim do mês. A retomada do setor deve acompanhar a evolução da pandemia e da vacinação contra a Covid-19 no país.

As informações são do  G1 Tocantins.