O número de mortes por Covid-19 registradas este ano no Tocantins já superou a quantidade de óbitos de 2020. Em menos de quatro meses, 1.239 pacientes não resistiram a doença. Entre abril do ano passado, quando houve a primeira morte, e dezembro 1.234 óbitos foram contabilizados.

Desde o começo da pandemia até a  segunda-feira (26), 2.473 pessoas morreram com a doença no estado. O número de diagnósticos já passou de 156,8 mil.

Neste ano o Tocantins enfrentou a segunda onda da doença. No mês de março o estado registrou recorde ao contabilizar, pela primeira vez, 30 mortes por coronavírus em 24 horas.

No mesmo mês as taxas de internações subiram e os hospitais voltaram a ficar superlotados. Como consequência, novamente pacientes morreram enquanto aguardavam vagas em Unidades de Terapia Intensiva (UTI).

O médico infectogista Marcelo Daher afirma que o aumento de confirmações e de mortes podem estar relacionadas as variantes do vírus que estão circulando em todo o Brasil. Pelo menos quatro casos foram confirmados no Tocantins.

“Essas variantes são adaptações que o vírus faz que aumenta a capacidade, não só de infectar as pessoas, mas parece que tem uma certa gravidade maior também. O simples fato de ele aumentar a transmissão já é um problema. Se eu aumento a capacidade de infecção pelo vírus, vou ter mais pessoas, ao mesmo tempo, adoecendo e com isso vamos ter um número maior de internações e provavelmente de óbitos”, explicou.

Ele afirmou que a segunda onda da Covid-19 fez com que aumentasse a mortalidade de pessoas mais jovens, com idades entre 30 e 50 anos. Para Marcelo Daher, a vacinação em massa é essencial para os números diminuírem. (Assista ao vídeo)

“Estamos com a vacinação ainda engatinhando com uma cobertura que ainda não é a ideal. Demoraremos um tanto para fazer a vacinação chegar para as pessoas abaixo de 50 anos, sem comorbidades. Precisamos ter todo cuidado”, explicou o infectologista.

Para tentar frear o contágio da Covid-19 no Tocantins, o governo do estado e várias prefeituras publicaram decretos. Entre as regras estaduais estavam a suspensão das aulas presenciais e de eventos esportivos e escalonamento da jornada de trabalho dos servidores públicos.

Na capital, cidade mais afetada pela pandemia, a prefeitura suspendeu o funcionamento de atividades não essenciais e vários estabelecimentos comerciais foram fechados. As gestões já começaram a flexibilizar as medidas de restrições.