01A segunda etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza  continuará até 8 de maio nos Centros de Saúde da Comunidade (CSCs) de Palmas e também em pontos estratégicos da Capital, montados para atender públicos específicos. O objetivo é imunizar profissionais de serviços essenciais, como policiais, guardas, agentes de trânsito, caminhoneiros, motoristas de transporte coletivo e pessoas do grupo de risco da Covid-19.

A gerente da Central de Vacinas de Palmas, Elaine Katzwinkel, lembra que a vacina contra Influenza não imuniza contra o novo coronavírus. “A intenção do Ministério da Saúde é diminuir a incidência de síndromes gripais (causadas pelo vírus Influenza) e auxiliar os profissionais da Saúde a descartarem a Influenza durante a triagem para diagnósticos de casos de Covid-19, pois muitos já estarão imunizados contra a gripe”, afirmou.

Policiais militares receberam as doses no sistema drive thru, montado no quartel do Comando Geral da Polícia Militar do Tocantins, para evitar filas e aglomerações. Já os motoristas do transporte coletivo foram imunizados na Estação Apinajé, localizada na avenida Teotônio Segurado Norte. Os motoristas receberam ainda orientações e kits de higienização para as mãos.

Foi instalado também um posto de vacinação no Parque da Pessoa Idosa Francisco Xavier de Oliveira para imunização de servidores da Secretaria de Segurança e Mobilidade Urbana (Sesmu) como os agentes municipais de trânsito, membros da Guarda Metropolitana de Palmas e servidores da Defesa Civil Municipal.

Outros grupos desta etapa da Campanha estão sendo vacinados nas 32 salas de vacinas, distribuídas nos Centros de Saúde de Palmas. Idosos acima de 60 anos e profissionais da Saúde que não conseguiram as doses na primeira etapa estão recebendo a imunização.

Público-alvo

O público-alvo da segunda etapa da Campanha são os profissionais de forças de segurança e salvamento, pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e de outras condições clínicas especiais, funcionários do sistema prisional, população privada de liberdade, caminhoneiros e profissionais de transporte coletivo (motoristas e cobradores).