O prefeito Eduardo Paes (PSD) recebeu, no maior chamego, a deputada Rosane Félix. A moça é vice-presidente estadual do seu novíssimo partido.

Mais do que as tratativas partidárias, Paes — que de bobo não tem nada — aproveitou para fazer um gesto de aproximação com o eleitorado evangélico e com a direita.

Além, claro, do bolsonarismo, que tem em Rosane uma fiel representante no Rio.

Também ontem, o prefeito nomeou na Secretaria da Cidadania o vereador Renato Moura — integrante do bloco parlamentar “independente-governista” (mais uma invenção carioca) Por um Rio Melhor.

Curiosamente, Moura é do Patriota, o partido ao qual o senador Flávio Bolsonaro acabou de se filiar — e, assim, a legenda do Zero Um chega ao primeiro escalão da Prefeitura do Rio.

Não parece ter sido combinado, mas o ato harmoniza bem com o atual momento do prefeito.

Paes se negou a aplicar as multas cabíveis ao presidente por infringir as regras sanitárias — e ainda aceitou que a cidade seja uma das sedes da Copa América.