O embaixador da China no Brasil, Yan Wanming, reagiu ao anúncio divulgado de que os Estados Unidos doarão 6 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 para países da América Latina e do Caribe.

“Melhor que nada”, disse a autoridade chinesa em publicação no Twitter. “É verdade, sempre fazemos todo o possível dentro do desejo e alcance”, acrescentou.

A China é um dos principais exportadores de IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo) para o Brasil. O ingrediente é o principal insumo das vacinas contra a covid-19. Presidente do país, Xi Jinping já afirmou que foram doados mais de 300 milhões de doses de imunizantes para outros países.

Durante a abertura da Cúpula Global de Saúde do G20, grupo de países com as 20 maiores economias mundiais, ele também prometeu conceder R$ 3 bilhões nos próximos 3 anos para iniciativas que ajudem países em desenvolvimento no combate à pandemia. A informação foi publicada pela Agência Brasil.

“Apoiaremos a Organização Mundial do Comércio e outras organizações internacionais a tomar uma decisão a respeito [deste assunto] com a maior brevidade possível”, afirmou.

DOAÇÃO DE DOSES

O governo dos Estados Unidos anunciou que irá compartilhar 75% das doses de vacinas contra a covid-19 que prometeu doar por meio do Covax Facility. O anúncio foi feito em nota divulgada pela Casa Branca.

O Covax é uma aliança da OMS (Organização Mundial da Saúde) para o acesso igualitário à vacina, e outros parceiros para a distribuição das vacinas. Segundo a nota do governo norte-americano, cerca de 19 milhões de doses serão distribuídas entre a América Latina e o Caribe, o Sul e o Sudeste da Ásia e a África.

O Brasil deve receber doses com o grupo da América Latina e Caribe, que receberá um carregamento de aproximadamente 6 milhões de doses. Em carta, o Fórum dos Governadores pediu “ao menos 10 milhões de doses” das vacinas que serão doadas.