A Carnival Cruise Line anunciou  que vai retomar operações limitadas partindo da Flórida e do Texas em 1º de agosto. Os cruzeiros foram interrompidos pela pandemia do novo coronavírus que deixou alguns passageiros presos em seus navios por semanas.

A Carnival disse que oito navios vão retomar os cruzeiros dos portos de Miami, na Flórida, e Port Canaveral e Galveston, no Texas.

Todos os outros cruzeiros americanos e australianos estão cancelados até 31 de agosto.

“Estamos adotando uma abordagem calculada, focando nosso retorno em atender um número selecionado de portos, onde temos operações mais significativas que são facilmente acessíveis de carro pela maioria de nossos clientes”, afirmou a Carnival em comunicado.

A Carnival enfatizou que a retomada dos cruzeiros “dependia de vários fatores” e estava “comprometida em apoiar todos os esforços de saúde pública para gerenciar a pandemia de Covid-19”.

“Qualquer retomada das operações de cruzeiro – sempre que possível – depende totalmente de nossos esforços contínuos em cooperação com autoridades federais, estaduais, locais e internacionais “, afirmou a empresa.

“Em nosso apoio contínuo aos esforços de saúde pública, qualquer retorno ao serviço também incluirá quaisquer protocolos operacionais aprimorados e as diretrizes sociais existentes no momento”, afirmou o documento.

A Carnival é a controladora da Holland America, cujo navio de cruzeiro “Zaandam” registrou quatro mortes em um surto de coronavírus e aportou em Fort Lauderdale em março, depois de ter sido recusado por vários outros portos.

Embora quase todos os passageiros tenham sido retirados do Zaandam e de outros navios, dezenas de milhares de tripulantes permanecem a bordo na costa dos EUA.

Segundo o jornal “Miami Herald”, existem cerca de 100 mil tripulantes e alguns passageiros ainda em navios de cruzeiro nas águas americanas e arredores.

O jornal citou funcionários da empresa de cruzeiros que disseram que seria “muito caro” providenciar transporte privado para os tripulantes.

Os proprietários dos navios disseram ao Herald que estavam tentando repatriar os tripulantes que desejavam voltar para casa.