Um grupo de mulheres afegãs jovens demais para lembrar do governo Talibã entre 1996 e 2001 está passando pelo mesmo trauma recontado por parentes depois que o grupo islâmico retomou o controle do Afeganistão, levando milhares de pessoas a fugirem do país.

“Estamos voltando à escuridão”, disse uma das estudantes universitárias levadas para o Catar, que descreveu sentimentos de ansiedade e medo e, como outras, se recusou a fornecer detalhes que pudessem identificá-las ou identificar suas famílias em casa por motivos de segurança.

“São todas histórias que ouvíamos de nossos pais e avós. E naquela época era apenas uma história, mas agora é como se o pesadelo se tornasse realidade”, disse uma segunda mulher.

As quatro que falaram à Reuters estão entre centenas de estudantes afegãs, a maioria mulheres, trazidas para o Estado árabe do Golfo.

Quando chegou ao poder pela última vez, o Talibã impôs de maneira estrita a sua interpretação ultraconservadora do islamismo sunita, que incluía proibir as mulheres de ir à escola ou de trabalhar.

Muitos duvidam das promessas do grupo militante de que desta vez os direitos das mulheres serão protegidos sob a estrutura do Islã.

“Todo mundo sabe como aquela época foi dura e brutal”, disse uma segunda mulher à Reuters em um complexo residencial na capital Doha, onde refugiados, incluindo de outras nacionalidades, são abrigados.

Ela disse não acreditar que existam professoras suficientes no Afeganistão para as aulas de gênero segregado que o Talibã insiste em implementar.

O grupo de mulheres disse que os valores do Talibã eram estranhos para elas e que não voltarão ao Afeganistão enquanto o grupo exercer controle do país, mesmo sob um governo de divisão de poder.