Estudantes que fazem parte de famílias carentes estão enfrentando dificuldades com o novo formato de ensino adotado na rede municipal de Palmas por causa da pandemia de coronavírus. As escolas estão fechadas há mais de seis meses e o ensino está sendo à distância, com aulas pela televisão e internet.

A dona de casa Anerliz tem três filhos em idade escolar. Eles deveriam estar acompanhando as aulas por uma televisão ou computador, mas com o orçamento apertado a família não tem como adquirir esses aparelhos. “Eu estou desempregada. O meu esposo trabalha, mas como com a pandemia a gente não está tendo muito êxito. Mal dá para a despesa e pouco ainda”, afirmou a dona de casa Anerliz Rodrigues.

As aulas que estão sendo disponibilizadas são curtas, entre 15 e 20 minutos. Os alunos também devem responder cadernos de atividades para não perder o ano. São mais de 40 mil alunos matriculados na rede municipal que estão dependendo desse modelo de ensino.

Os filhos da Anerliz até tentam acompanhar as aulas, mas esbarram na falta de explicação profissional. “Os professores pões só um contexto aqui na atividade e você tem que se virar para dar conta de responder a atividade. Às vezes você não entende”, comentou a Maíra Rodrigues Souza, de 16 anos.

“Com a explicação a gente entende melhor. Se não tiver, tem outras coisas mais difíceis e é difícil entender”, afirmou Adriel Rodrigues Souza, de 14 anos.

Sem nenhum recurso digital os meninos têm estudado através dos materiais que estão sendo disponibilizados nas escolas. Só que eles não têm nenhum tipo de contato com professores e a mãe, que concluiu o ensino médio há mais de 10 anos, não consegue auxiliar os filhos.

“Às vezes eles perguntam algo e a gente não tem como algo e eu não posso responder. Então para mim ficam muito desvantajoso”, afirmou a dona de casa.

O que diz a prefeitura

A Secretaria Municipal da Educação (Semed) esclarece que neste momento não há condições de realizar formação para as famílias, mas o aluno regularmente matriculado que tiver qualquer necessidade de acompanhamento deve entrar em contato com a unidade educacional em que estuda para tirar as dúvidas com os professores, que realizarão o acompanhamento e correções das atividades, bem como as intervenções pedagógicas necessárias.

“A Semed destaca ainda que está procurando alternativas que possam compensar os impactos no processo de ensino aprendizagem das crianças e educandos. Para 2021, será recomendada a reposição dos objetos de aprendizagem essenciais, no contra turno, referente a etapa/ano estudada em 2020”, diz nota do município.

Quanto ao tempo de duração das aulas, a secretaria disse que é pouco do ponto de vista quantitativo, mas está tendo mais qualidade, pois na aula presencial os professores precisam manter a organização da sala, pedir silêncio, controlar saídas dos alunos, fazer chamada, entre outras interrupções no conteúdo.

“A Semed esclarece também que as teleaulas são complementos das aulas e atividades disponibilizadas na ferramenta Palmas Home School, com acompanhamento remoto por parte dos professores”, afirma nota.

As informações são do  G1 Tocantins.