Após três reuniões realizadas na última semana pelo Movimento Pró-BR-010 para cobrar a construção da rodovia federal que se arrasta há anos, o DNIT afirmou que o estudo da obra está pronto, junto com o da BR-235. O próximo passo será o projeto de engenharia que custará até R$ 12 milhões para cada uma das rodovias.

A primeira reunião foi na sexta-feira (20/8) nos municípios de Pedro Afonso e Itacajá; e a última no sábado (21), em Rio Sono, com a presença de representantes do movimento e também da superintendência do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit) no Tocantins.

A construção da rodovia está paralisada desde o início de 2008 e, desde 2012, os moradores abraçaram a luta pela retomada da obra.

A principal reivindicação é a pavimentação do trecho entre Aparecida do Rio Negro até o município de Goiatins, na divisa com o Estado do Maranhão, passando pelas cidades tocantinenses de Rio Sono, Pedro Afonso, Santa Maria, Itacajá e Barra do Ouro.

Durante a reunião realizada em Pedro Afonso, foi apresentada mais uma solicitação da comunidade local: a construção da BR-235.

DNIT

O superintendente do Dnit no Tocantins, Flávio Ferreira, garantiu que o Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) já está finalizado. Esse é considerado o primeiro passo para que as obras possam sair do papel.

“Após o cumprimento deste primeiro passo, será licitado o projeto de engenharia das duas BRs, sendo que cada projeto terá um custo financeiro em torno de R$ 8 a 12 milhões para cada rodovia”, informou o superintendente.

Ainda segundo Ferreira, só depois de os projetos prontos é que poderão ser licitadas as obras em si; e cada uma necessitará de cerca de R$ 600 milhões. “Se tudo correr bem e se tiver recurso no orçamento, as obras poderão começar em 2022”, declarou.

Neste caso, o Governo Federal precisa reservar dotação orçamentária para o próximo ano ou a bancada federal do estado disponibilizar emendas parlamentares ao Orçamento da União de 2022.

PRÓ-BR-010

Durante os encontros, foi feito um levantamento junto à comunidade de cada uma das cidades sobre os principais trechos precários da rodovia, tanto fazendo imagens como entrevistas com a população.