O senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) se pronunciou por meio de um vídeo no YouTube, a respeito dos mandados de busca e apreensão cumpridos em endereços ligados a ele e a ex-assessores parlamentares do seu tempo na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). A ação é um desdobramento de uma investigação conduzida pelo Ministério Público do Rio (MP-RJ) sobre suposta prática de “rachadinha” no gabinete do então deputado estadual e que tem como pivô o ex-assessor Fabrício Queiroz.

Segundo Flávio Bolsonaro, trechos da investigação do MP têm sido vazados para a imprensa com a intenção de gerar desgaste a sua imagem “e para atingir o presidente Jair Bolsonaro”, de quem ele é filho.

O parlamentar também atacou o juiz que autorizou a operação, alegando que o juiz Flávio Itabaiana de Oliveira Nicolau, da 27ª Vara Criminal do Rio, é “motivo de chacota” e teria autorizado busca e apreensão “na casa de pessoas que sequer estavam no procedimento do MP”. Além disso, disse que o MP deveria investigar o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), que, segundo o senador, empregaria a filha do magistrado em seu gabinete.

“A Nathalia Nicolau trabalha com o governador Wilson Witzel. Está lá até hoje. É uma boquinha que parece ser boa, MP. Vocês podem investigar. Inclusive ouço falar que ela não aparece muito por lá, não. É bom vocês investigarem se não tem um funcionário fantasma dentro do gabinete do governador, que é filha do juiz Flávio Itabaiana”, disse o senador.

Foro privilegiado

No vídeo, Flávio afirmou ainda que não está recorrendo ao foro privilegiado por vontade própria, mas simplesmente porque “é o que diz a legislação”.

“Não estou aqui pedindo foro privilegiado, isso está fora da minha escolha. É o que diz a legislação. Vamos tomar as providências”, disse o parlamentar.

Conforme revelou o Broadcast Político nesta quinta-feira, 19, a defesa de Flávio Bolsonaro entrou com um pedido de habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF). A relatoria do caso foi designada para o ministro Gilmar Mendes.