O governador do Maranhão, Flávio Dino, anunciou que está de saída de seu partido, o PC do B. A legenda passará a não ter nenhum governador.

Dino anunciou a decisão por meio de sua conta no Twitter. “Uma grande Frente da Esperança é um vetor decisivo para um novo ciclo de conquistas sociais para o Brasil. A tal tarefa seguirei me dedicando”, declarou.

Flávio Dino está em seu 2º mandato à frente do governo do Maranhão. Antes, foi deputado federal de 2007 a 2011. Esteve filiado ao PC do B nos últimos 15 anos, segundo afirmou no Twitter.

A tendência é que Dino migre para o PSB e se candidate ao Senado no ano que vem. Há cerca de 15 dias ele esteve com o presidente do partido, Carlos Siqueira, e acertou a filiação à sigla.

Siqueira disse ao Poder360 que não há acordo para outros quadros do PC do B migrarem junto com Flávio Dino, mas que egressos da sigla seriam “bem vindos” no PSB.

A sigla de Siqueira também está próxima de filiar outro importante político do campo da esquerda: o deputado federal Marcelo Freixo (Psol-RJ), que poderá ser candidato a governador.

O partido se movimenta para ser ator importante nas eleições de 2020. O PT, que deve ter o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como candidato ao Planalto, tenta atrair o apoio nacional do PSB.

O PC do B, assim como o Psol, vive momento delicado. O partido é um dos que está ameaçado pelo avanço da cláusula de desempenho, que retira acesso ao fundo partidário das siglas que têm poucos votos.

As siglas pequenas pressionam para que a reforma política em discussão na Câmara tenha medidas que evitem seu sufocamento.

Um projeto apoiado pelo PC do B, por exemplo, cria as federações partidárias, que facilita a eleição de deputados para siglas pequenas. A proposta corre em regime de urgência.